Usina de Letras
Usina de Letras
17 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10263)

Erótico (13560)

Frases (50375)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Última Madrugada -- 30/11/2004 - 00:06 (Ana Pierri) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O silêncio da madrugada embala teu sono.

A rua é tua morada.

No teto, Lua e estrelas.

Velho cobertor em farrapos,

parcos e míseros trapos,

aquecem teu corpo cansado.



Tu ainda és homem, ou não?



Afogadas na cachaça – doce companheira –

tuas tristezas foram esquecidas.

Não lembras teu nome,

tampouco tuas feridas.

Quem foras? Quem és?

Há muito perderas a razão.



Eis que, vítima da insensatez humana,

do sono é despertado.

Acordas nos braços de um anjo,

que, ao ver-te assustado, conforta-te:

“ – É findo o pesadelo, meu filho!”

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui