Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57090 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22209)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13401)
Frases (43730)
Humor (18475)
Infantil (3786)
Infanto Juvenil (2709)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138296)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4882)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O Amigo da Morte -- 31/01/2004 - 01:14 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O AMIGO DA MORTE


Mário José, era o segundo filho de uma prole de cinco crianças, quatro meninos e uma menina, tinha o pai com o mesmo nome dele, a mãe era uma ex-cigana, que foi obrigada deixar o seu grupo por ter se apaixonado por um homem estrangeiro (assim como falam).
Em sua infância, ele sempre comunicativo, era fácil de encantar os passantes, com sua doçura e inocência. Residia perto da praia, o que era uma alegria, além de subsistirem dali, poderia brincar à vontade com seus irmãos e amigos.
Um certo dia, nosso amigo, teve o primeiro contato com a Morte, quando foi passear de canoa com seu amigo, Catapora, onde a canoa virou, em alto mar e ambos estiveram à beira da morte. Seu amigo não resistiu, ele milagrosamente, (podemos dizer assim) não sucumbiu ao ocaso da natureza, onde ninguém conseguira explicar, foi o que ele veio com a seguinte diretiva:
- Pai, eu vi a cara da morte, ela pediu para escolher entre eu e catapora, pois ele sabia nadar mais que eu, então disse que ia morrer, só não iria, se fizesse um pacto com ela, trocando a vida do meu amiguinho, pela minha...
Todos pensavam que era uma alucinação, quanto mais que criança imaginava coisas facilmente.
Assim, o tempo passara, e todos esqueceram o fato tenebroso e inusitado...
Já estava mais que na hora dos meninos irem para a escola, sua mãe foi matriculá-los para neste ano começarem sua vida estudantil, o que não era muito difícil, pois quem não tem a oportunidade de estudar, sempre tem esse desejo incontido.
Assim era uma festança o dia em que o ônibus escolar passava pelo lugarejo, onde tinha o nome sugestivo,de Cova de Defunto.
Numa sexta-feira, dia 13 de março, o transporte virou, por ter soltado um dos pneus, foi um desastre terrível! Muitos mortos e feridos, nosso amiguinho perdera dois irmãos nesse triste acontecimento, o que deixou Candeias em luto, durante uma semana.
Passado esse incidente, a vida tinha que continuar, contudo os acidentes foram acontecendo, peremptoriamente, todos ao seu redor tinham o infortúnio de acidentes e doenças.
Seu pai um certo dia, ganhou uma fortuna no bicho, que ele jogava somente por teimosia, terminou sumindo, sendo achado semanas depois já em estado de decomposição, deixando os três filhos sozinhos, e sua irmãzinha já estava às portas da morte, acometida de uma dolorosa leucemia, o que não demorou muito para encontrar o seu caminho.
A sofrida mãe, com problemas cardíacos, não agüentava mais sofrer com tanto infortúnio, mas tentava achar forças para terminar de criar Mário e Eduardo, seus primogênitos e únicos filhos, que restaram de sua família.
Quando rapaz, foi à Salvador passar o carnaval achou uma namorada, seu irmão que acompanhara, perdeu-se em meio o Trio Elétrico, durante a folia, sendo achado no Pronto Socorro, já sem vida.
O Restante do conto somente adquirindo o livro de contos:
Conto & Reconto
Pedidos tel 71-81553677
R$ 20,00 entrega pelos correios para o Brasil
O Equivalente a 15,00 dólares em sua moeda para todo nosso mundo!
e-mail marceloosouzasom@hotmail.com

Marcelo de Oliveira Souza
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui