Usina de Letras
Usina de Letras
56 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48257)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139372)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Contos da Seda -- 27/01/2004 - 23:17 (MARIA PETRONILHO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


O bicho-da-seda ia de oco de oco, à procura de si mesmo.

Poesia esparsa, colorida, densa mas translúcida.

Costumava possui-la sem se deixar consumir como vira acontecer.

... E o bicho-da-seda tecia, tecia fios de uma inabalável textura de leve carícia, pontes entrevistas que rebrilhavam apenas e só em luz de feição.

Descobriu um casulo devoluto e começou a prepará-lo para si, na dúvida, com discrição.

No meio silêncio. Na subtileza macia da seda, escrevia fios de presença: a matéria mais resistente e dúctil que se conhece.

O bicho-da-seda sábio, quando achou que o casulo estaria quase pronto, foi observá-lo.

Gostou do trabalho e propôs-se conclui-lo.

Ao mesmo tempo congeminava: como entraria no casulo?



Com calma mas afinco, não descuidou de envolvê-lo e o casulo ia crescendo, preparando-se por dentro para a sua função de ninho.

Um dia o bicho-da-seda foi ver com cuidado se o casulo construído teria a forma que imaginara para ser a sua forma. E achou que teria.

Falou-lhe de ninfas e de borboletas.

O casulo entendeu tudo, sabia que o seu destino seria der desenrolado e tecido em levíssimo manto que lhe envolvesse o corpo tal um poema envolve a alma.

Mas na pungente urgência que o fim lhe ordenava, o de ser berço, deixou o bicho-da-seda aninhar-se até que a metamorfose acontecesse e ele depois voasse, deixando sem mais olhar a casca vazia.



E assim se cumpriu: O bicho-da-seda continua o seu destino de insecto perfeito, criando.

A casca, que não feneceu, desenrola-se dia a dia, em fios de suavidade, estendidos no tear onde uma ninfa secreta fabrica poesia, leve como de seda,

secretamente envolvente, sem outra função que a de vestir a alma.




Almada, 27/1/2004


Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui