Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
154 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58131 )
Cartas ( 21211)
Contos (12856)
Cordel (10239)
Crônicas (22079)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13451)
Frases (45272)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138693)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Redação-->A árvore -- 02/06/2002 - 23:19 (Maria Augusta Camargo Schimidt) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Nos meus tempos de criança costumava visitar o sítio Santa Rita, onde moravam meus avos.
Das recordações que guardei, ficou viva a lembrança de uma árvore que ficava na entrada do pomar bem ao lado da casa.
Era uma árvore tão linda, com folhas verdes e brilhantes!
Quando o dia amanhecia, o sol começava a derramar seus raios e suas folhas pareciam moedinhas de ouro esparramando pelo chão. Era uma alegria. Tudo ao seu redor era bonito. Logo começavam aparecer as borboletas, os passarinhos cantores, as abelhinhas trabalhadoras.
E as florzinhas então! Pareciam cantar de alegria sob a sombra da tão frondosa árvore.
Nas tardes quentes, costumava me sentar sobre sua raiz para observar os beija-flores e as borboletas que bailavam sem parar demonstrando alegria.
Havia até um pequeno riacho de águas cristalinas que passava ao seu lado esquerdo. Sua sombra parecia refrescar os peixinhos que adoravam ficar por ali.
Infelizmente o tempo passou...
E quando a saudade apertou, voltei para rever meu recanto de felicidade.
Mas...Não havia mais árvore frondosa, nem florzinhas e nem riacho.
Os homens que por ali passaram com suas máquinas modernas, afugentaram as borboletas, os passarinhos e até os peixinhos.
Agora, ali no lugar daquela árvore, só havia uma grande massa de concreto.
Que pena!
Como os homens são tolos!
Não sabem que destruindo a natureza, destroem-se a si próprios!
Augusta Schimidt
Set./1999


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui