Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
48 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MINISSAIA SEM CALCINHA -- 13/12/2006 - 18:08 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197869944185300


MINISSAIA SEM CALCINHA
Silva Filho


Já se foi a do cofrinho
Moda que ficou falada
Pois agora sem calcinha
Vem minissaia plissada;
Pra quem mora no nordeste
Tudo isso é um teste
Pra perereca suada.

Não se sabe a razão
Pra destronar a calcinha
Vai ter sufoco na praia
Com terra, sal e farinha;
Perereca mal treinada
Pode sair bem melada
Procurando camisinha.

Ninguém sabe a origem
Dessa peça atraente
Alguém atribui a Eva
A invenção previdente;
Com uma folha espessa
Não deixava a cabeça
De Adão seguir em frente.

Depois vem a tal de grife
Calcinhas pra todo gosto
Com bordado e com rendas
Umas com tudo exposto;
Umas com frases picantes
Outras picadas errantes
Inda manchadas de mosto.

O problema é saber
Como a moda vai grassar
Muita coisa vai subir
Se a mulher se agachar;
E se passar por escada
Certamente a espada
Há quem queira empunhar.

No transporte coletivo
Pererecas vão palrar
E o calor que sua bunda
Pode fazer transpirar;
Se subir aquele cheiro
Não haverá no banheiro
Vaga pra nego molhar.

Mas se pega essa moda
Outros avanços virão
Cueca também se acaba
E o pinto fica na mão;
Pra amansar perereca
Qualquer homem sem cueca
Pode usar o seu bastão.

Se for isso retrocesso
Contra a velha moral
Pelo menos tem vantagem
No orçamento mensal;
Mas a faca de dois gumes
No contexto dos costumes
Também pode fazer mal.

Não haverá mais respeito
Muito menos contenção
Com a frincha numa mira
Não se contém a tesão;
E o descontrole geral
Pode resultar em pau
Em qualquer conotação.

Portanto, é bom pensar
Se há clima para isso
Se a mulher quer arriscar
Um problema tão roliço;
Porque mulher verdadeira
Não vai deixar de bobeira
O seu bichinho maciço.

/aasf/



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1315 vezesFale com o autor