Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
182 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59106 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9434)

Erótico (13481)

Frases (46493)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NEM TREPA, NEM SAI DE CIMA -- 04/12/2006 - 21:11 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
Nem Trepa, Nem Sai de Cima
(por Domingos Oliveira Medeiros)

Desde o tempo de criança
Que a gente percebe a sina
Menino que enche o saco
Provoca sempre a menina
Na escola lhe dá beliscão
E às vezes lhe pega na mão
Nem trepa, nem sai de cima

E a gente vai crescendo
Vai dando a volta por cima
E vai prestando atenção
A coisa nunca termina
Com aquele tipo de gente
Que está sempre indiferente
Não trepa, nem sai de cima

Faz pouco caso da vida
Pra estudar não se anima
Nunca aprendeu a lição
O estudo nunca termina
Geralmente não trabalha
Mas se puder atrapalha
Não trepa, nem sai de cima

E a coisa fica comprida
Tem hora que até abomina
Ninguém segura o lixeiro
Do quadro aqui da Usina
Que apaga o que não gosta
Só perdoa o rola bosta
Não trepa, nem sai de cima

A culpa não é só do gari
Tem mais outro companheiro
Que faz o mesmo trabalho
É um tal de Justiceiro
Varre tudo que ele vê
Tudo em nome do PT
Não trepa, nem sai de cima

Mas o pior não é isso
Tem gente aqui na Usina
Que escreve muito pouquinho
Seu texto nunca fascina
Gente que é muito orgulhosa
Que vive fazendo prosa
Não trepa, nem sai de cima

Gente de mal com a vida
Gente muito vaidosa
Faz uso do auto-elogio
Propaganda enganosa
Fala mal de todo mundo
Mas sabemos, lá no fundo
Não trepa, nem sai de cima

Tem a turma da pesada
Cuja boca é uma latrina
Vive no anonimato
Palavrão nunca termina
Não escreve nada com nada
Vive sujando a calçada
Nem trepa, nem sai de cima

Há o que também reclama
Reclama mas não opina
Não dá sua sugestão
Só fala mal da Usina
Diz também que é bom de cama
Mas vive dormindo na fama
Nem trepa, nem sai de cima

Mentiroso por natureza
Não ajuda e nem ensina
Mas tem fama de bom moço
Só pensa naquilo por cima
Por baixo não apetece
O cabra logo esmorece
Nem trepa, nem sai de cima

Fala com autoridade
De quem sabe a disciplina
Diz que faz e acontece
Agrada qualquer menina
No mundo que é virtual
Pois no mundo que é real
Nem trepa, nem sai de cima

E vou ficando por aqui
Deixo o convite na esquina
Quem quiser compor no mote
É só seguir a rotina
Pois tenho mais o que fazer
Daqui a pouco vão dizer
Nem trepa, nem sai de cima

Isso não vou permitir
Não é essa minha sina
Sempre no computador
Mas se erro de menina
Não boto a mão em cumbuca
Não sou pessoa caduca
Não trepo e saio de cima

Diferente de partido
Que com o governo se anima
Promete esquecer o passado
Deixá-lo em qualquer esquina
Atrás de poder e dinheiro
Se alia ao companheio
Nem trepa, nem sai de cima





Convido os companheiros (e companheiras) do Cordel, que fazem versos e rima, com maestria e talento, para que montem nesse mote, e siga no seu galope, que é certo aqui não termina. E mostrem pra todo mundo, que nele não se amofina. Ou ponham as cartas na mesa, digam a todos da Usina, quem trepa e quem sai de cima.










Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui