Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
58 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59107 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46494)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->DANTAS x VIRGOLINO -- 30/11/2006 - 10:44 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
A PELEJA, NÃO DUVIDO, VAI TERMINAR EM BUCHADA
(Por Domingos Oliveira Medeiros)

O silêncio foi quebrado
O desafio foi feito
Virgolino abriu o peito
E não se fez de rogado
E não vai deixar fiado
Bem cedo, de madrugada
Com sua língua afiada
Fez o convite aguerrido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Essa é minha impressão
Sobre o final do repente
Feito ao amigo da gente
Em pizza não acaba não
São dois vates do sertão
A briga começa empatada
Dantas é cobra criada
Virgolino é atrevido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Pesquisa de opinião
O leitor foi convocado
Pra falar do resultado
Quem será o campeão ?
Aqui dou minha sugestão
Na pesquisa encomendada
Saiu na primeira fornada
Resultado presumido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Já se aponta um campeão
Na frente, o Virgolino
Com votos do nordestino
A família de Lampião
Lembrada pela tradição
Valentia comparada
E muito admirada
Pelo povo tão sofrido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Buchada e muita emoção
Promete este embate
No final, o desempate
Não se sabe ainda não
Quem ganha esta eleição
A turma desconfiada
De acabar em marmelada
Coisa que não faz sentido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Mas a nossa população
Que gosta da poesia
Já começa, todavia
Ganhando com esta questão
Seja qual for o campeão
A rima improvisada
A cantoria afinada
O bemol e o sustenido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Comida forte, de gente
Valente e abençoada
Muito bem acostumada
Com o frio e o quente
O chorar e o sorridente
Da sua vida encantada
Segue firme nessa estrada
Compõe até de ouvido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

É difícil, companheiro
Prever qualquer resultado
Do embate provocado
Pelo professor, primeiro,
Contra Dantas, engenheiro
A dupla tá preparada
Pra guerra anunciada
Já se ouve o estampido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Não pode ser diferente
Tem fibra o sertanejo
Pizza, no caso, é sobejo
Comida de quem é doente
Não mata a fome da gente
Massa azeda e estragada
Diarréia anunciada
Nosso povo é sabido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Pizzaria não combina
Com nossa alimentação
Fígado, rim e coração
Prosa, verso e muita rima
É a nossa vitamina
Feijão, farinha e coalhada
A dieta consagrada
Nosso vigor garantido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Fique o leitor sossegado
Essa briga é pra valer
Nem precisa pagar pra ver
Aqui, quem for convocado
Não pode ficar calado
Na CPI combinada
Nenhuma pessoa cassada
Todo mundo absolvido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

Tem até especialista
De olho no desafio
Não vai tolerar desvio
Trovador e cordelista
Goltara fez a chamada
Geraldo, a replicada
Vai ser bom ter assistido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

A não ser que prevaleça
A IDÉIA do engenheiro
No seu cordel pioneiro
Caso a mudança aconteça
Não demore e apareça
Outra IDÉIA melhorada
Ou bastante transformada
Conforme ficou presumido
A peleja, não duvido
Vai terminar em buchada

- // -











Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui