Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
185 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59106 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9434)

Erótico (13481)

Frases (46493)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NO TEMPO DE MINISTRO -- 09/11/2006 - 22:22 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
CORDEL DA (IM) PREVIDÊNCIA
(Por Domingos Oliveira Medeiros)

Seu Ricardo Berzoini
Ministro da Previdência
Com velho e aposentado
Não tem muita paciência
Não gosta de velharia
Persegue João e Maria
Com bastante incompetência

Parece que o ministro
Não tem filho, nem netinho
Não acredita em Noel
Não conhece o bom velhinho
Anda de mal com a vida
Trabalha de forma iludida
Sem controle e sem caminho

Não se sabe a sua idade
Talvez menos de sessenta
Mas um dia o ministro
Deus queira, chegue a noventa
Como beneficiário
Cumprindo o calendário
Na fila ele experimenta

Com saúde, se possível
Ou sentado na cadeira
Os males da providência
Esperando a vez primeira
Pra mostrar com toda ira
Que é velho, mal respira
Mas prima pela decência

Ele sabe muito bem
Que ladrão que rouba ladrão
Que recebe benefícios
Tem cem anos de perdão
Fraudador não tem idade
Rouba desde a puberdade
Essa é a grande lição

Tratar mal todo velhinho
Falta de consideração
Não aprendeu na escola
Antiga é a educação
Que já nasceu com o mundo
O ensinamento profundo
De respeito e gratidão

A vida é cheia de estradas
Mas só uma leva ao perdão
Não adianta o retorno
Pela via da contramão
A pressa é inimiga
Só causa estrago e intriga
Não se chega á perfeição

O problema da Previdência
É menos de Economia
Muito de Administração
Coisa que não se fazia
Permanece a receita
Caso de visão estreita
Gerência da miopia

Nem é falta de dinheiro
Está mais do que provado
A receita da Previdência
Cai num saco bem furado
É falsa, portanto, a questão
De tentar meter a mão
No fundo do aposentado

A única coisa antiga
Que existe nesta Nação
Que precisa de combate
É a tal da corrupção
E acho só tem um jeito
Gritar alto, abrir o peito
E ver correr muito ladrão

Jovem, moço ou mais idoso
Bem vestido e bem formado
Tem juiz de toga preta
E também advogado
Tudo gente muito fina
Ninguém sequer imagina
O quanto que é fraudado

Portanto, senhor ministro
Pra encerrar esta questão
Não basta pedir desculpas
Peça logo a demissão
Ponha a mão na consciência
O problema da Previdência
É falta de administração

Reforçado, é bem verdade
Por um erro de economia
Optou-se por mais recursos
O capital privilegia
Ciclo do endividamento
Este o nosso tormento
Seja de noite ou de dia

O resto é café pequeno
Arroz, farinha e feijão
E a volta do crescimento
Com emprego e educação
Ouvindo o clamor do povo
Não fazer tudo de novo
Copiando a mesma lição



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui