Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
123 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12601)
Cordel (10073)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43603)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2672)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138213)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->UM TOM LÍRICO DE VIDA -- 10/09/2004 - 01:26 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


UM TOM LÍRICO DE VIDA

Jan Muá

10 de setembro de 2004





Todo o seu movimento gira em torno da música

Concentra-se em aulas de canto

Em concertos

Em ajuntamentos

Usa uma única linguagem

Que é a da voz

Soberana e lírica

Amorosa

Esteticamente enlevante.

Seu ser não recebeu especiais dons retóricos de Quintiliano

Nem de Cícero

Mas foi bafejado por privilegiadas cordas vocais

Que expandem arduamente as estradas sonoras do espaço

Onde os simples mortais não conseguem chegar a passo.

Ela vive em estado de graça

Banhada na fantasia do som multiplicado e mensageiro

Seu instinto vocal a leva a trautear e a cantar

E a fazer ressoar na amplidão dos espaços a sua especial voz.

Seu rosto é meigo e vivo

Desperto e harmonioso como promessa sinfônica da percepção musical da vida

De linhas clássicas

Semeado e realimentado pelo sorriso

Como se estivesse embebido em sons e harmonias

E recebesse o apoio de sonoras flautas e liras

Ou de oboés

Numa sinfonia encomendada a Beethoven.

Seu olhar musical se expande e dialoga como quem tem linguagem animada na escala dos sons

Sobe escadas trauteando

Passa nos corredores ensaiando áreas

Sempre de mansinho quase com vontade de erguer um grito soprano de Gounod

Ela é uma alvorada real

Sacudida pelo enamoramento da vida que a invade

Possuída pela escala congênita que se esconde em suas cordas vocais

É criativa

E quer mostrar secretamente ou declaramente sua fala que é geneticamente musical

Em sons sopranos e contraltos

Competindo com os pássaros que esvoaçam pelos céus

E pousam nos pinos das árvores a ensaiar seu canto alegre

Ela irrompe em cada manhã a saudar a alvorada com seu grito existencial

Querendo dizer que sua vida está sendo ensaiada em tom maior

Uma vida que a possui e que não quer deixar esmorecer

Uma vida que gostaria fosse apreciada e aprendida

Por todos os que ao mundo vieram

Por todos os que têm uma alma que não descobriram ou não educaram ainda

Uma alma que tem voz

Que é traduzida em tons belamente líricos

E musicais

Portadora de uma mensagem

Que só os grandes maestros poderão perceber e entender!





Jan Muá

Brasília, 10 de setembro de 2004

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 74Exibido 781 vezesFale com o autor