Usina de Letras
Usina de Letras
32 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50382)

Humor (20001)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140718)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Erotico-->Confesso que pequei -- 08/07/2003 - 03:04 (Andrezza) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Eu acabara de mudar para uma cidadezinha de interior, no auge dos 17 aninhos não foi dificil chamar `a atenção de todos os homens da vizinhança e até mesmo do padre um jovem senhor de seus 40 anos que arrebatara o coração de quase todas as beatas da paróquia. Foi numa das missas que percebi o quanto ele me olhava no início fiquei encabulada mas depois achei divertido apesar de achar um pecado mortal. Numa certa tarde chuvosa resolvi ir até a igreja para me confessar por causa da chuva não havia mais ninguém, o sacristão pediu que eu aguardasse um pouco e logo sacou seu guarda chuva e tambem se foi não demorou muito padre marcio apareceu, cabelos molhados, barba por fazer estava ainda mais bonito do que o de costume, muito simpático me comprimentou sem muita cerimônia e puxou uma cadeira logo percebi que olhava para minhas pernas. Senti o rosto corar, ele sorriu colocando suas mãos sobre elas e iniciando a confissão informal...senti minhas pernas tremerem , as mãos quentes dele acariciavam me de uma forma nada santa e aos poucos fui gostando da situação. A chuva havia aumentado o que o obrigara a fechar à porta por causa do vento forte e frio que invadia a sacristia. Pude perceber ao sentar-se novamente o grande volume que se formara em sua calça de moletom...parecia estar sem cuecas deixando à perceber toda sua anatomia masculina. Minha blusa estava um pouco transparente devido a chuva que me pegara no caminho deixando a mostra os bicos de meus seios não tão volumosos mas durinhos.
Padre Marcio parecia louco para dizer minha penitência...acariciava meus seios por baixo da blusa enquanto levava minha mão ao seu pênis totalmente rijo. Devagarzinho fez com que minha saia caisse e pouco a pouco acariciava minha xaninha semi-depilada eu tremia . os beijos no pescoço fizeram me ajoelhar diante dele e beijar cerimoniosamente aquele membro duro. não demorou e estávamos ali no chão trocando carícias cada vez mais íntimas ele queria apenas que eu confessasse se era ou não virgem, no meu silêncio oportuno fez com que me virasse de bruços beijava meu rabinho e enfiava a deliciosa lingua em meu buraquinho aos poucos fui confessando todos os meus pecados sexuais enquanto gemia a cada estocada. Ele parecia possuído por um desses amantes de filmes pornôs, gozava como um touro e me fazia me sentir a verdadeira madalena.
Ficamos ali naquela deliciosa penitência por quase duas horas, Padre marcio me fazia confessar em todas as posições e a cada uma seu jato de perdão me invadia. ao terminarmos estava exausta e completamente absolvida dos meus pecados.
Durante quase um ano passei a me confessar quase todos os dias até que ele foi transferido . Algumas linguás herejes apontaram como motivo um caso que ele tivera com a mulher do prefeito uma beata de carteirinha, o certo é que ninguém nunca provou ... e quem provou desta confissão até hoje se sente pecadora por não haver acompanhado em sua nova paróquia.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui