Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
174 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PIMENTA NO DOS OUTROS -- 07/10/2006 - 21:09 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438348343453600


PIMENTA NO DOS OUTROS
Silva Filho



Um matuto resolveu sair da roça
E ajuda na cidade procurar
Hemorróidas lhe tiravam o sossego
E assim não conseguia trabalhar;
A pimenta no dos outros é refresco
Como fato engraçado ou burlesco
Mas na carne, nego tem que rebolar.

Um amigo que vivia na cidade
Prontamente prometeu-lhe hospedagem
Foi mais longe indicando um doutor
Competente, pra fazer uma sondagem;
Explorando o ‘forebes’ do matuto
O doutor DELPINTO REGO MARABUTO
Não teria uma só dificuldade.

O matuto chegou dois dias depois
Com consulta muito antes agendada
Doutor Rego atendeu mui gentilmente
Pois a bunda não tolera patuscada;
Conferindo os estragos nadegais
Doutor Pinto deixou tudo nos anais
E a cura finalmente vislumbrada.

O doutor passou um bom supositório
Pra no RETO o matuto infiltrar
Com sorriso muito largo na saída
Os compadres bem puderam prosear;
Mas enquanto caminhavam conversando
A memória do matuto foi falhando
E o remédio ficaria sem lugar.

Não podendo superar a amnésia
Solução foi voltar ao consultório
O doutor até que foi compreensivo
E falou: quando entrar no dormitório
Meta bem o remédio no seu ÂNUS
E evite cometer outros enganos
De memória, com problema irrisório.

Novamente os amigos vão em frente
Velhos tempos passados em revista
Os assuntos lá da roça, em destaque
Vida simples, sem apelo modernista;
Outra vez a memória dá um branco
O matuto emperrado com um tranco
Não consegue encontrar alguma pista.

O amigo da cidade não tem pressa
E sugere um retorno pra pegar
Por escrito, o lugar do tal remédio
Pra depois ninguém mais se enganar
Mas o outro contestou a sugestão:
- Se eu voltar a fazer indagação
Eu já sei onde ele manda enfiar.

/aasf/



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 732 vezesFale com o autor