Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9406)

Erótico (13483)

Frases (46404)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138156)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5501)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->BONS VENTOS -- 24/09/2006 - 18:15 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438346549858800


BONS VENTOS
Silva Filho


Por todos os brasileiros
Bons ventos são esperados
Porque sonhos centenários
Inda se quedam frustrados;
Mas existem “belisários”
Que recebem nos armários
Maços de dólares contados.

São meninos inocentes
Que têm a sorte na mão
Sequer sabem o que fazem
Pra receber o quinhão;
São assim predestinados
E pelos ventos soprados
Recebem seu “ganha-pão”.

Dinheiro que vem de longe
Dinheiro que vem de perto
Segredo que só um monge
Pode manter encoberto;
No Brasil do faz de conta
Ninguém conta a afronta
Do submundo diserto.

Malas pretas recheadas
Já cumpriram seu papel
A cueca foi chamada
Pra prestar um aluguel;
Transportando dinheirama
Com algum tipo de lama
Mas muita sopa no mel.

Até voto já compraram
Pra corromper o Congresso
Num esforço concentrado
Consumando um excesso;
A Carta, sem segurança
Sucumbiu com a lambança
Desse fato inconfesso.

Ninguém sabe, ninguém viu
Não se pagou nem comprou
E o dinheirão rastreado
Nem CPI segurou;
São despesas de campanha
Com o carimbo da manha
Que no Brasil prosperou.

Pra comprar um Dossiê
Vem dinheiro dos States
Os ventos de norte a sul
São padrinhos do deleite;
Mas o povo acha graça
E se não faltar cachaça
Não tem caso “dolargate”.

O ingresso clandestino
De Divisas por bueiro
É infração muito grave
Como Crime Financeiro;
Mas punição – é golpismo
Que empurra pro abismo
O Governo brasileiro.

São afrontas que maculam
Esta nação brasileira
O Povão se acomoda
E o Congresso faz besteira;
Ninguém toma providência
Ninguém diz qual excelência
Comanda a bandalheira.


/aasf/





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 768 vezesFale com o autor