Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->BATALHA INFERNAL -- 11/09/2006 - 20:40 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438346426361300


BATALHA INFERNAL
Silva Filho


No dia em que Bin Laden
Tentou tomar o inferno
O diabo mandou e-mail
Pra jurar um fogo eterno
Numa caldeira de aço
Como casa de inverno.

Bin Laden foi incisivo
Ao fazer confrontação
Mandou um pombo-correio
Desde o Afeganistão
Mas avisou desde logo
Que depois vai avião.

No recado columbino
Falou de boeings lotados
Que poderão despencar
Sobre uns pobres coitados
Que morando no inferno
Inda serão perturbados.

Ao correr a tal notícia
O inferno pegou fogo
Quem estava no cassino
Perdeu dinheiro no jogo
E até o próprio diabo
Pediu proteção ao sogro.

Dona diaba quase nua
Saiu louca do seu quarto
E o diabinho na barriga
Não esperou pelo parto
Pulou no chão e correu
Mais ligeiro que lagarto.

Diabos com fogo na testa
Outros com fogo no rabo
Uns comiam beterraba
Outros só comiam nabo
Quem tinha rabo-de-palha
Nem esperou pelo cabo.

Verdadeiro corre-corre
Que não teve precedente
O diabo que já viu tudo
Disse que está descrente
E se perder a batalha
Vai quebrar o seu tridente.

Houve pânico nas ruas
Como aquele de Beirute
Todo mundo em abrigos
Sem perder o azimute
Pra reforçar a despensa
Muitas dúzias de quitute.

O trânsito ficou tão lento
Que São Paulo nunca viu
Um dragão adolescente
Quando soube, explodiu
E o carro-forte do diabo
Com pouco fogo partiu.

O diabo pegou a estrada
E foi treinando sotaque
Levando mala e cuia
Pra escapar do ataque
Comprou u’a bela mansão
Em Bagdá, no Iraque.

/aasf/



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 607 vezesFale com o autor