Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13081)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->EFEITO PEQUENEZ -- 04/09/2006 - 11:05 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197869576864100

EFEITO PEQUENEZ
Silva Filho


Onde está aquele astro
Que se chamava Plutão
Seqüestrado no espaço
Por bandidos de plantão
Tudo trama do G-9
Pra se livrar dum Anão.

Dois detetives famosos
Já estão no seu encalço
Henrique César / Goltara
Por baixo dum cadafalso
Esquadrinham a galáxia
Neste trabalho tão salso.

Com raríssimas exceções
Qualquer Anão é tolhido
Como Partido pequeno
Cada vez mais espremido
Os grandes ditam as regras
E os pequenos dão gemido.

Partido que não tem gente
Com patrimônio pomposo
Não tem chance de crescer
Num contexto ardiloso
Onde Caciques dão cartas
Com marcas de presunçoso.

Se não podem prosperar
Nem cumprir outro papel
Os pequeninos Partidos
Ficam sob a tecla “DEL”
Logo vão sumir do mapa
Se não são de aluguel.

Também o comerciante
Chamado de microempresa
Contribui com mui vigor
Com empregos e riqueza
Mas do Governo recebem
Tratamento de torpeza.

Tributos de todo tipo
Livros, fichas e cadernos
Que deixam qualquer empresa
Pedindo vultos maternos
Tal qual no Brasil Colônia
Com “Os quintos dos Infernos”

Quem é pequeno, nanico
Não tem vez, não tem valor
Pode ser um pecuarista
Ou um simples lavrador
E até mesmo quem trabalha
Com nome de “Servidor”.

Pode ser um correntista
Com ninharia num Banco
Ou qualquer um excluído
Sob a lona num barranco
Ou menestrel sem renome
Mas que faz um verso franco.

Por tudo que foi exposto
No meu cordel pueril
Nem Plutão foi tão roubado
Como ocorre no Brasil
Onde tem ladrão mimado
Por um povão tão asnil.

/aasf/












Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 571 vezesFale com o autor