Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
46 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138240)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Jardim vazio -- 18/10/2003 - 08:30 ( Andre Luis Aquino) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Lembro de uma vez no tempo em que ainda era uma criança que havia perto do lugar onde brincava um grande e alto muro todo branco que se estendia por toda uma calçada da rua.
Com aquela já enorme curiosidade que tinha em minha infância queria saber o que tinha por trás daquele muro, mas ele era tão alto que sempre desistia da idéia.
Num belo dia resolvi matar de vez minha curiosidade e subi no banco de minha bicicleta para alcançar o alto daquele muro só que nem assim era capaz de conseguir subir até seu topo, mesmo diante dessa dificuldade pensei em não desistir facilmente do meu objetivo e resolvi me arriscar, saltei do banco da bicicleta com os braços esticados para agarrar na extremidade mais alta do muro e deu certo, poderia ter escorregado e caído ao chão, ter quebrado o braço ou qualquer outro osso, mas naquela época adorava me arriscar nessas aventuras acrobáticas e na maioria das vezes elas davam certo.
Mas todo o meu esforço não me valeu de nada, quando meus olhos pela primeira vez puderam fitar o outro lado daquele muro fiquei deveras decepcionado, estava tudo abandonado e não havia nada de interessante ali, era apenas um grande jardim abandonado com o mato crescendo em volta dos canteiros, as flores estavam secas e mortas os arbustos murchos e tinha uma pequena arvore no centro quase sem folhas mais ainda viva e no fundo havia ainda uma casa igualmente abandonada e deserta.
Fiquei ali no alto daquele muro apenas por um minuto, pois já estava preocupado em como iria descer dali, por sorte alguns amigos passavam por perto naquele momento e me ajudaram a descer em segurança.
Mesmo tendo sido na época uma aventura decepcionante jamais me esqueci daquele jardim abandonado que naquele tempo não significava muito pra mim, com a imagem guardada na memória hoje aquele mesmo jardim ganhou um outro sentido.
Com os anos passados a vida emprestou ao meu coração um pouco de poesia e aquela imagem guardada ganhou uma nova dimensão no meu pensamento e imaginei uma história que explicasse o motivo da existência daquele jardim vazio.
Um dia aquele jardim tinha sido belo, verde e florido e enfeitava o quintal de uma casa que abrigava uma família feliz, ao mesmo tempo que um homem era o pai da família era também jardineiro daquele imenso jardim.
E assim foi durante muito tempo, as flores e o colorido daquele jardim refletiam o que era aquela família, o pai e jardineiro viveu seus melhores dias naquele espaço, dedicou muita alma para tornar aquela família e aquele jardim as melhores partes de si.
O tempo passou, os filhos cresceram e deixaram a casa vazia para viverem suas próprias vidas em outro lugar e o pai ficou sozinho com a mãe e desta feita já estava mais velho e mesmo assim cuidava com todo carinho de seu jardim que cuidava dele de volta.
Mas um dia sua mulher morreu subitamente e ele ficou viúvo, perdeu um pedaço de si e nunca mais foi o mesmo, ela foi cremada e suas cinzas foram jogadas no jardim e fertilizam até hoje a árvore no centro do jardim que ainda teimosa permanecia viva.
O homem viveu até os seus últimos dias naquela casa e ficou conhecido naquela época como o jardineiro que regava as plantas e molhava a terra com suas próprias lágrimas.
Seu último desejo teria sido ter suas cinzas jogadas igualmente no jardim e assim foi feito, misteriosamente algum tempo depois o jardim que estava quase morto voltou a florir e um tempo depois a casa foi vendida para uma nova família e para um novo pai de família e jardineiro.

MEUCAMINHAR@YAHOO.COM.BR


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui