Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
116 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->ADVOGADOS & CIA -- 11/08/2006 - 10:26 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438346233749400


ADVOGADOS & CIA
Silva Filho


O doutor advogado
Diz ao juiz: data venia
No estudo se empenha
Pra ficar bem afamado.
Faz um bom arrazoado
Busca azo na doutrina
Diz que a lei não repristina
Se tem outra revogada
Tem sua tese esposada
Na verdade cristalina.

Defendendo inocente
Como também o culpado
Pois ninguém é condenado
Sem defesa precedente.
Um trabalho consciente
Quando faz contraditório
Tem na lei um diretório
Sobre o processo legal
Contra o Poder Estatal
Tem esforço petitório.

O doutor da medicina
Tem trabalho delicado
Contra o mal impregnado
Que os outros contamina.
Muito mais que vitamina
Deve haver o necessário
Mas no seu receituário
Pode estar a solução
Se não for coisa do cão
Ou um mal hereditário.

Se um órgão quer parar
Se falta ar no pulmão
Ou talvez u’a congestão
O doutor vai consertar.
Outras vezes vai tentar
Dominar algum mioma
Ou um terrível blastoma
Diabetes, lupo, cegueira
Herpes, hérnia e boqueira,
Ou um estado de coma.

O doutor economista
É quem diz da inflação
É quem faz a projeção
E dos preços dá a pista.
Tem formação elitista
Pra discorrer sobre juros
Com enfoques obscuros
Para ninguém entender
E a ciência faz crescer
Os palpites intramuros.

É quem fala da balança
É quem calcula o PIB
É quem os gastos proíbe
Quando a inflação avança.
É quem trata de poupança
E do nível de emprego
É quem promete sossego
Para um povo assustado
Com um gráfico plotado
Pra ninguém pedir arrego.

O doutor da engenharia
Esse põe a mão na massa
Quando faz a argamassa
Pra firmar alvenaria.
É quem faz a simetria
No projeto estrutural
Tudo é proporcional
Para não pegar cobaia
Tal qual castelo de praia
Com areia, água e sal.

É quem liga os dois lados
Com as pontes sobre rios
Faz estradas sem desvios
E sem blocos ondulados.
É quem faz alguns estrados
Sambódromos e passarelas
Nas casas faz as janelas
Para a passagem do vento
Inda faz saneamento
Até mesmo nas vielas.

O doutor da informática
Mexe com a cibernética
Dispensando a dialética
Trabalhando com estática.
A vida fica mais prática
Um clique tem o condão
De resolver u’a questão
De mandar uma mensagem
Com um texto e imagem
Do Brasil pra o Japão.

Há o doutor analista
E o doutor programador
Dando ao computador
Um toque mais futurista.
Dentro da visão holista
E o domínio da Ciência
Já vivemos a tendência
De ter vida em disquete
Mas ao cordel não compete
Entrar nessa conferência.

/aasf/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 645 vezesFale com o autor