Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
32 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CORDEL INTRAVENOSO -- 09/06/2006 - 20:56 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910373710000

CORDEL INTRAVENOSO
Silva Filho



Sei que assunto não falta
Pra engendrar um Cordel
Tampouco bom Menestrel
Abrilhantando a ribalta.
Se é bom, aos olhos salta
Sem requerer discussão
Por isso, meu caro irmão
Mesmo que o leitor não leia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

No Sertão tem alegria
Tem comida diferente
O povo ali é mais gente
Sem qualquer hipocrisia.
Também não há heresia
Não tem trabalho em vão
A vida é quase canção
Sem o canto de sereia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

Campeão é o vaqueiro
Quando tange a boiada
Por caatinga ou estrada,
Ao lado do bom tropeiro.
Noutra frente, o meeiro
Se não for um bom peão
Pois quem não veste gibão
Vai labutar com areia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

Há uma farta culinária
Cuscuz, canjica e beiju
Doce de jaca e umbu
E outras porções agrárias.
Caboclo ganha diária
Se não tem o seu quinhão
Pois pra viver sem patrão
Só mesmo rompendo a teia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

No Sertão tudo é perfeito
Qual verdadeira magia
O povo não tem fobia
Muito menos preconceito.
Ser pobre não é defeito
Importante é ter o pão
Sem a pecha de ladrão
E sem risco de cadeia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

Há farto divertimento
Com festa pra todo lado
Um São João bem animado
Que deixa doutor atento.
Um namoro ao relento
Que escapa do clarão
Fazendo a cama no chão
O cabelo despenteia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

Se a fome traz amargura
O Criador sempre acode
Com leitão, capão e bode
Com caça e rapadura.
Vale mesmo a bravura
Do homem forte - peão
Que não banca garanhão
Quando vê mulher alheia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

Há um clima de respeito
Que não se tem na cidade
Há concreta amizade
Livre de qualquer despeito.
Levando a vida no peito
Campônio não brinca não
Faz bonito e dá lição
E com seu verso gorjeia
Cordel pra pegar na veia
Tem que lembrar o Sertão.

/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 645 vezesFale com o autor