Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
113 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9406)

Erótico (13483)

Frases (46405)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138156)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5502)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PODER PARALELO -- 30/01/2006 - 12:06 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438348379159300
PODER PARALELO
Silva Filho


É um caos – é violência
É a morte planejada
Quem tem a ordem lesada
Sofre crises de demência;
O povo faz penitência
Faz mesmo até simpatia
Sem tolher a anarquia
Porque não mostra seu berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

O cidadão escorchado
Paga imposto, com derrama
Mas nos porões, muita lama
Deixa o Poder sufocado;
O povo sempre insultado
Fica só nas homilias
Disfarçando as agonias
Temendo soltar seu berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

Bandidos fecham Escolas
Fecham Ruas e Usinas
Nas favelas, suas vitrinas
Granadas, bombas, pistolas;
Crime também tem Cartolas
Pra compor a hierarquia
Desde o chefão ao vigia
E o povo não solta o berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

É muito mais competente
Um tal Poder Paralelo
Mantendo rede com elos
Para casos de emergência;
E o Governo da indulgência
Prefere um banho-maria
Não quer saber de arrelia
Pois do povo não vem berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

Quem prometeu solução
Quem prometeu segurança
Entre o Brasil e a França
Quer construir u’a prisão;
Não convoca um mutirão
Não trespassa a teoria
E o que o discurso dizia
Não repercute no berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

O crime vai por estrada
Por um rio ou Beira-Mar
Por montanhas, pelo ar
Em crescente escalada;
Reunião tem marcada
Disse o Governo outro dia
Pra tratar da miopia
Que faz o povo dar berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

Ninguém paga pra ser preso
Mas no Brasil é assim
Muito Imposto e coisa afim
E o cidadão indefeso;
Sem ter medida nem peso
Corre o crime à revelia
Na mais completa ufania
E o povo não solta o berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

O povo não quer dilema
Pra extirpar todo o mal
Quer um grande arsenal
Pra desmontar o esquema;
Sendo esse um velho tema
Que já não tem companhia
Quem na campanha queria
Hoje não suporta o berro,
Se não for com fogo e ferro
Nunca o crime se esvazia.

/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 697 vezesFale com o autor