Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MUSA EM DESERÇÃO -- 03/11/2005 - 17:15 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438348053198000
MUSA EM DESERÇÃO
Silva Filho



Já não sei por onde anda
Quem partiu de madrugada
Sem escolher a estrada
Pra chegar em aluanda;
Uma vida em ciranda
Um vôo talvez altaneiro
Quem sabe, fez um cruzeiro
Pra não ouvir minha lira
Musa que sempre inspira
Meu pobre verso brejeiro.

Já não sei por onde anda
Quem se fez um colibri
Quando o coração abri
Suprindo bem a demanda;
Seu perfume de lavanda
Deixou comigo o cheiro
Dentro deste cativeiro
De verdade ou de mentira
Musa que sempre inspira
Meu pobre verso brejeiro.

Já não sei por onde anda
O meu beijo aboral
Inglês forçado - “my all”
Para mim, a outra banda;
Habitando alguma landa
Prado, savana, terreiro
Na sombra dum cajueiro
Em um rincão caipira
Musa que sempre inspira
Meu pobre verso brejeiro.

Já não sei por onde anda
Já não sei por que se cala
Por que não ouço sua fala
Com sua voz muita branda;
Por que recado não manda
E não mostra o seu roteiro
Seu verso tipo vespeiro
Numa redoma suspira
Musa que sempre inspira
Meu pobre verso brejeiro.

Já não sei por onde anda
Por que não me faz aceno
Não me deixando sereno
Meu estro logo desanda;
Meu corpo pede vianda
Meu verso abre o berreiro
Meu sonho no estaleiro
Outra façanha conspira
Musa que sempre inspira
Meu pobre verso brejeiro.


/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 735 vezesFale com o autor