Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
231 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MORRE UM PLANETA -- 13/10/2005 - 21:01 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151909785508400
MORRE UM PLANETA
Silva Filho



São diversas as ONG’s na espreita
Pretendendo defender a natureza
Sem, contudo, conseguirem a proeza
De conter quem pratica a desfeita;
Poderosos chegam sem causar suspeita
Poluindo tudo que há pela frente
Devastando fauna, flora e corrente
Com um ato cada vez mais predatório
Brevemente estaremos no velório
Dum Planeta que morreu precocemente.

As florestas vão sumindo com tristeza
E os rios vão brigando com areia
A sujeira das indústrias serpenteia
Com a água carregando a malvadeza;
Animais não agüentam tal crueza
E procuram água pura na nascente
Sem saberem se sobrou uma vertente
Ou se tudo é um caos muito notório
Brevemente estaremos no velório
Dum Planeta que morreu precocemente.

A fumaça não nos deixa respirar
Sob o azo emergente do progresso
Respeitar a natureza é empeço
Pra quem quer o Capital multiplicar;
Vamos vendo nossa vida a minguar
Suicídio que se faz bem consciente
Exportar é sempre tema conducente
Aos projetos que fecundam palavrório
Brevemente estaremos no velório
Dum Planeta que morreu precocemente.

As queimadas vão torrando o Planeta
Transformando nosso verde em carvão
A Amazônia já não é grande pulmão
E sem água a Bacia faz careta;
Certamente, tudo é coisa do capeta
E o povo vai passando por demente
Sem cobrar uma medida condizente
Sem punir quem tem culpa no Cartório
Brevemente estaremos no velório
Dum Planeta que morreu precocemente.

Bem por isso a natureza se revolta
Vem tufão, furacão e vem tornado
Terremoto pra deixar mapa mudado
E quem dele escapar ali não volta;
Ninguém tem a causa da reviravolta
É a seca conflitando com enchente
Ninguém traz a versão mais coerente
Nem a ONU quer fazer um relatório
Brevemente estaremos no velório
Dum Planeta que morreu precocemente.


/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 709 vezesFale com o autor