Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
163 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO -- 05/10/2005 - 15:45 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151909500908900

ORAÇÃO A SÃO FRANCISCO
Silva Filho


São Francisco, salvai o Velho Chico
Que doutores pretendem estripar
Impedindo o seu curso para o mar
Por questão de ingente mexerico;
Um desastre – é assim que classifico
A ousada obra de engenharia
Com projeto que não passa d’utopia
Sem respeito com um rio moribundo
Certamente da cabeça dum facundo
Que só vive nos porões da teoria.

É o homem enfrentando a natureza
É o mal investindo contra o bem
É o homem atuando com desdém
Pra seu nome emplacar na realeza;
É um crime contra a própria correnteza
Baixo golpe contra quem está no leito
Um gigante atingido pelo efeito
Da fumaça que parece com ciência
Na verdade, falta mesmo consciência
De quem tem o dever de ser perfeito.

Entre serras, entre matas e baixios
Segue o rio exibindo perfeição
Mas agora vem chegando um ladrão
Fabricado por doutores arredios;
Querem água para onde não há rios
Querem água que começa a minguar
São Francisco já não vai poder molhar
Esse povo chamado de ribeirinho
Porque vem um ladrão em burburinho
Pra fazer o grande rio assorear.

São Francisco – Salvai vosso xará
Pra que possa resistir aos insensatos
Carregando todos estes desacatos
E por isso vou dizendo oxalá;
Ao seu nome segue sempre saravá
E a grandeza não será surrupiada
Dessa água que precisa ser velada
Pois é forte no seu curso natural
Ninguém vai roubar o seu potencial
Por capricho de quem fez esta piada.


/aasf/



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 883 vezesFale com o autor