Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->RÉU CONFESSO -- 19/09/2005 - 08:46 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
RÉU CONFESSO
Silva Filho
(*)


“Uma vírgula nunca cabe
Entre predicado e sujeito”
Qual postulado perfeito
Que quem declara bem sabe.
Qualquer reparo descabe
Ao que diz Jorge Ribeiro
(Meu amigo / Conselheiro)
Velho Confrade na rima
Mas a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Quando busco a cadência
Não respeito paradigmas
Enquanto colho estigmas
Que vêm da irreverência.
Por questão de consciência
Não quero ser zombeteiro
Mas falo ao Jorge Ribeiro
Que regra não me arrima
E a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Ajo por conveniência
Dentro da pontuação
Puxando o freio de mão
Com vírgula ou reticência.
Gramatical delinqüência
Dum motorista barbeiro
Que não respeita canteiro
Passando o carro por cima
E a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Sou infrator assumido
Assim como réu confesso
Um estudante defesso
Com tudo que tem ouvido.
Vivo a procurar sentido
Como agulha em palheiro
No encalço dum roteiro
Que meu verso não colima
E a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Uma pausa bem plasmada
Faz bem à compreensão
Melhorando a expressão
Com mensagem depurada.
Também frase compassada
Da lavra de um campeiro
Que fica muito cabreiro
Quando a regra lhe intima
E a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Nem sempre têm fundamento
Algumas regras vetustas
Que bem parecem robustas
Vestidas com paramento.
Mas talvez o seu sustento
Não tenha bom tabuleiro
Nem um suporte lindeiro
Tampouco manto por cima
E a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

Ao Jorge – peço perdão
Por comentar seu poema
Que não vem como algema
Mas como boa lição.
Não são palavras em vão
No Cordel alvissareiro
Desse amigo timoneiro
Que tem a minha estima
Mas a vírgula não me anima
A ser assim tão ordeiro.

/aasf/

(*)
Saudações ao grande amigo e confrade
JORGE RIBEIRO SALES
Em Vila Velha – Espírito Santo


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1242 vezesFale com o autor