Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MEU PEDACINHO DE CHÃO -- 01/09/2005 - 08:42 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438347970835200
MEU PEDACINHO DE CHÃO
Silva Filho


Um dia volto além serras
Depois de tanto progresso
Para firmar meu regresso
E rever a amada terra;
Vou ver se o gado inda berra
Se ainda cai o orvalho
Se o sabiá vem ao galho
Se ouço o som do repente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

Quero ouvir a vizinhança
Gente humilde, hospitaleira
Um açude pelas beiras
O povo entregue a festanças;
O peão que o boi amansa
Nos botequins, o baralho
Ao longe um forte chocalho
Sob um ocaso candente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

Quero que a mesma Capela
Inda toque o mesmo sino
Brincadeiras de menino
E as mocinhas nas janelas;
O tropeiro numa sela
Os plantadores de alho
E na roça o mesmo esgalho
O que restou da semente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

Os passeios pela praça
O namoro às escondidas
A noiva pra ser pedida
E o noivo pela trapaça;
Um beiju de boa massa
Papai fazendo espantalho
Mamãe com o mesmo agasalho
Distante um canto plangente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

Quero ver u’a farinhada
Um engenho de açúcar
Quero matar u’a mutuca
Roubando sangue por nada;
Quero encontrar a boiada
Com o vaqueiro já grisalho
Vencendo qualquer ramalho
E um improviso fluente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

As conversas dos idosos
Impondo o mesmo respeito
Os jovens mais satisfeitos
E também esperançosos;
Os mesmos raios formosos
Que o sol lança no cascalho
Um verdadeiro assoalho
Anunciando um repente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

Quero chorar de alegria
Quero abraçar meus amigos
Quero que o melhor artigo
Seja a mesma serventia;
Quero percorrer as vias
Onde fiz meus atrapalhos
E a troca dos cabeçalhos
Pra lembrar a minha gente
Quero rincão renascente
Sem histórias em retalho.

/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 991 vezesFale com o autor