Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
153 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->FILHO DA NATUREZA -- 04/08/2005 - 09:39 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910193110000
FILHO DA NATUREZA
Silva Filho


Eu sou filho do sertão
Sou a vida na secura
Sou vaqueiro e sou peão
Criado com rapadura
Comendo arroz com feijão
Só falta mesmo a cultura.

Sou alegre, sou liberto
Nada tenho a reclamar
Meu chão é quase deserto
O sol quente a me queimar
Mas meu coração aberto
Diz que aqui é o meu lugar.

Na seca, vejo o arroio
Sem ter água pra levar
No campo falta o aboio
Não há gado pra tocar
Mas depois vem o apoio
Que o céu não deixa faltar.

Já vi morrer meu roçado
Já vi mato cor de chão
Um curió desgarrado
Que perdeu sua direção
E um jacaré amuado
Por falta de habitação.

Sou Filho da Natureza
Sou mais forte que a dor
Deus me deu a fortaleza
Juntamente com o amor
Quando falta a correnteza
Tem por trás algum fator.

Eu sou filho do orvalho
Sou a água na ribeira
Um solitário canário
No alto da ribanceira
Eu sou o próprio fadário
De quem nasceu na poeira.

Sobre um chão esturricado
Meu labor é mato afora
Depois do café coado
Vou saindo, vou-me embora
Só tem gado, se tem prado
Mas quem sabe, faz a hora.

Eu sou filho da nascente
Que secou com o calor
Eu sou o som do Repente
Que fascina o Cantador
Eu sou do verso a semente
Que traz no estro o fulgor.

Eu sou a própria aridez
Onde a vida se entranhou
Resistente é minha tez
Que o sol já calejou
Se chover no outro mês
Valeu pra quem esperou.

Meu sertão, é minha sina
Eu sou parte do agreste
Aqui mi’a verve atina
Olhando de leste a oeste
Aqui o meu verso opina
Falou um Cabra da Peste.

/aasf/


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1002 vezesFale com o autor