Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
201 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59060 )

Cartas ( 21235)

Contos (13083)

Cordel (10287)

Crônicas (22190)

Discursos (3163)

Ensaios - (9412)

Erótico (13484)

Frases (46422)

Humor (19255)

Infantil (4425)

Infanto Juvenil (3684)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138173)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5503)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PENSANDO BEM . . . -- 01/06/2005 - 08:33 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438348304713700
PENSANDO BEM . . .
Silva Filho


No governo do Fernando
Foi grande a desolação
Toda noite um apagão
Deixava a gente suando.
Eu ficava comentando
Sobre a nossa agonia
Prometi vingar-me um dia
Com um voto audacioso
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

O Fernando viajava
Por toda parte do mundo
E eu afoito, iracundo
No meu lar esbravejava.
Com meu verso condenava
E sem trégua eu batia
Em constante arrelia
Achei que fosse teimoso
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

O Fernando fez passeios
Num governo esquisito
Deu o dito por não dito
Com mistérios e enleios.
Disse não largar os freios
Pra conter a economia
Pois a inflação surgia
Em seu estilo pomposo
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

O Fernando não sangrou
Os nossos aposentados
Não tomou os seus trocados
E pro sol não os mandou.
Também nunca encenou
Reformas de fantasia
Com recurso que maquia
Um contexto desastroso
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

Só aumento de imposto
Temos hoje de REAL
Quem pensou vencer o mal
Do mal hoje faz encosto.
O Brasil a contragosto
Vai sofrendo à revelia
Talvez numa estrebaria
Tenhamos lugar forçoso
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

O Fernando não deixou
Grassar a corrupção
Pra ganhar reeleição
Com Partido que minguou.
E do povo não zombou
Com tamanha grosseria
Tratando grave sangria
Com um gesto generoso
Mas no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

Mas nem tudo é eterno
Ao falar em eleição
Quem for mesmo cidadão
Tomou nota no caderno.
Meu consolo eu externo
Esperando ver o dia
Quando o rubro atrofia
E o TREZE segue choroso
Pois no tempo do Cardoso
Fui feliz e não sabia.

/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 791 vezesFale com o autor