Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
98 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57092 )
Cartas ( 21170)
Contos (12605)
Cordel (10090)
Crônicas (22211)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43740)
Humor (18476)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138303)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4886)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS -- 09/11/2000 - 15:46 (Paccelli José Maracci Zahler) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS



Paccelli M. Zahler



Proibidos para uso na lavoura pela Portaria nº 06, de 29/04/80, da Secretaria de Defesa Sanitária Vegetal do Ministério da Agricultura porque, não sendo eliminados pelo organismo, podem provocar alterações no comportamento, insanidade mental e teratogenia, alguns produtos à base de mercúrio, escapando da fiscalização, permanecem no mercado, sendo empregados na agricultura sem orientação técnica adequada. Assim, em setembro de 1989, os consumidores de batatas procedentes de Vargem Grande do Sul e São João da Boa Vista, SP, ficaram apreensivos com a notícia da interdição de algumas lavouras daqueles municípios por apresentarem índices de contaminação com mercúrio superiores aos permitidos pela FAO e Organização Mundial da Saúde.

Sabidamente, os produtos químicos utilizados na lavoura nada mais são do que instrumentos auxiliares no controle de pragas e doenças, devendo ser utilizados com parcimônia em um programa de “manejo integrado de pragas” ou MIP. Este programa consiste na utilização conjunta de vários métodos de controle de pragas e doenças, como o controle biológico, as variedades resistentes e os métodos culturais, dando-se preferência para técnicas simples, seguras e baratas, sem descartar aquelas tradicionais utilizadas pelos agricultores (métodos caseiros), integradas com o controle químico.

O controle químico dentro de um programa de “manejo integrado de pragas” é feito somente quando os outros métodos forem ineficientes para manter a população da praga ou da doença em um valor inferior ao “nível de dano econômico”, ou seja, ao momento em que o prejuízo econômico por ela causado estiver em equilíbrio com o custo do trabalho para controlá-la. Tal controle é feito antes que a densidade populacional da praga atinja este nível, estabelecendo-se um ”nível de controle”.

O “nível de controle” é aquele acima do qual a praga começará a causar dano econômico. É um índice obtido através do monitoramento da lavoura, ou seja, pelo acompanhamento da evolução da praga ou doença por um período de tempo prolongado, determinando-se os períodos de maior ocorrência, e comparando o dano causado com o custo da aplicação de agrotóxicos. Serve para indicar o momento correto da pulverização, quando outros métodos empregados e os inimigos naturais não estiverem conseguindo controlar a expansão da praga. Estudos neste sentido foram feitos pelo Centro Nacional de Pesquisa da Mandioca e Fruticultura/EMBRAPA, Cruz das Almas, BA, que elaborou um programa de “manejo integrado de pragas” para os citros; e pelo Centro Nacional de Pesquisa da Soja/EMBRAPA, Londrina, PR.

No Distrito Federal, a fruticultura tem se expandido nestes últimos anos, destacando-se a produção de manga e citros. No entanto, tais culturas têm sido prejudicadas comercialmente pelo ataque de moscas-das-frutas. Tais pragas perfuram o fruto, instalando ovos no seu interior, de onde se desenvolvem várias larvas que o deixam “bichado”. Buscando uma solução para o problema, o Serviço de Defesa Sanitária Vegetal-SERDV/DFA/DF implantou, no período de 1985-89, um programa de monitoramento de moscas-de-frutas em pomares do Núcleo Bandeirante, Nova Betânia, PAD-DF e Pipiripau, instalando frascos caça-moscas, tendo como isca sucos de frutas comerciais e proteína hidrolizada de milho a 1%. Semanalmente, as iscas eram trocadas e o conteúdo dos frascos levados ao laboratório expedito do SERDV/DFA/DF para identificação taxonômica das espécies e avaliação da flutuação populacional. sempre que era constatado um valor médio superior a 1,0 mosca/frasco por dia (nível de controle adotado), recomendava-se ao fruticultor realizar a pulverização do pomar com agrotóxicos específicos para cada caso na área de maior incidência, preservando-se os inimigos naturais da praga porventura presentes nas outras áreas do pomar. Tinha-se por objetivo: a)preservar os inimigos naturais; b) reduzir as intoxicações dos aplicadores pelo excesso de pulverizações preventivas; c) reduzir a contaminação dos alimentos por agrotóxicos; d) aplicação de agrotóxicos no momento certo e na dosagem recomendada, evitando aqueles de largo espectro, reduzindo os custos de produção; e) conhecer as principais espécies de moscas-das-frutas do DF e sua flutuação populacional no decorrer do ano para estabelecer uma estratégia mais ecológica para seu controle; e f) obter dados para a instalação de uma Estação de Avisos Fitossanitários.

A partir dessa experiência, sugere-se ao agricultor que, antes de pensar no controle químico, escolha uma cultura adequada às condições climáticas de sua região; analise o solo, corrigindo-o quanto à acidez e adubando-o corretamente, preferindo sempre que possível o adubo orgânico, complementando-o com adubos químicos pois, plantas com nutrição equilibrada tendem a apresentar maior resistência ao ataque de pragas; utilize o espaçamento recomendado pelo órgão de pesquisa da sua região e respeite o período de plantio; informe-se sobre os períodos de maior probabilidade de seca e, se for viável, adote um sistema de irrigação eficiente e econômico, para não ter problemas durante o ciclo de vida da planta; utilize armadilhas como frascos caça-moscas, armadilhas luminosas ou adesivas, plantas atrativas, além de outras que o órgão responsável pela extensão rural estará habilitado a informar.

Se as armadilhas não estiverem sendo eficientes para conter uma explosão populacional da praga, procurar o engenheiro agrônomo da sua região que, após avaliar a situação da lavoura poderá recomendar, através do Receituário Agronômico, um produto químico menos tóxico e mais específico para o problema, orientando-o quanto aos cuidados a serem tomados durante a aplicação, o equipamento necessário, a dosagem e a freqüência das aplicações necessárias para manter a praga em um nível inferior ao “nível de controle”.



(Publicado no Suplemento do Campo do Jornal de Brasília, de 28/03/90, p.6)

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 21Exibido 1027 vezesFale com o autor