Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9406)

Erótico (13483)

Frases (46404)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138156)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5501)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->AO SOM DA VIOLA -- 24/05/2005 - 08:01 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910778096400
AO SOM DA VIOLA

Silva Filho




Sou trovador do sertão
Rimando sol com poeira
E de qualquer ribanceira
Soletrando algum refrão.
Sem escolher estação
Sem temer remandiola
Meu estro nunca me enrola
Não sofre tempo adverso
PORQUE O SOM DO MEU VERSO
É O MESMO SOM DA VIOLA.


Meu verso canta tristeza
E também a alegria
Vem com força d’alforria
Pra sentimento em represa.
Verso que mostra proeza
Verve que não se estiola
Quando algum tema embola
Logo depois fica expresso
PORQUE O SOM DO MEU VERSO
É O MESMO SOM DA VIOLA.


Aprendi com a passarada
Um gorjeio d’improviso
Outra coisa eu não diviso
Além da vida rimada;
Sou peão da madrugada
Que com pouco se consola
Não que seja gabarola
Mas na rima vivo imerso
PORQUE O SOM DO MEU VERSO
É O MESMO SOM DA VIOLA.


Passeando pelo agreste
Em cenários de miragem
A rima seguiu viagem
Com algum Cabra da Peste;
Ali não há quem conteste
Este som qual radiola
Rima que vence a marola
Não deixa o mote disperso
PORQUE O SOM DO MEU VERSO
É O MESMO SOM DA VIOLA.


No sertão o verso é tudo
Pra dizer o que se sente
Qualquer tema faz Repente
Que faz doutor ficar mudo;
É o trovador sem estudo
Pondo a rima na bitola
Quando a verve deita e rola
Não me deixa ser egresso
PORQUE O SOM DO MEU VERSO
É O MESMO SOM DA VIOLA.


/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1040 vezesFale com o autor