Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NA ONDA DO CORDEL -- 06/05/2005 - 07:50 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151909728864000
NA ONDA DO CORDEL
Silva Filho




O cordel virtual é desperdício
Sendo pedra preciosa escondida
Pouca gente tem o mapa da jazida
E a arte vai virando estrupício;
Todo vate cumpre bem o seu ofício
Mas não pode trabalhar a tradição
Sem papel, sem varal e sem peão
Sem folhetos espalhados nas calçadas
O Cordel já tem cores desbotadas
O Cordel perdeu o cheiro do sertão.

A Cultura Popular é um tesouro
Muito além dessa tal de Internet
No papel o Cordel pintou o sete
Foi arauto de contexto duradouro;
No sertão, verdadeiro ancoradouro
Abrigando todo o dom da inspiração
Menestrel com viola e com canção
Repentista com diversas emboladas
O Cordel já tem cores desbotadas
O Cordel perdeu o cheiro do sertão.

O caboclo deu valor a essa jóia
Aplaudindo toda rima d’improviso
O sertão foi do verso o paraíso
Muito embora, para muitos, paranóia;
Combatendo a injustiça e tramóia
O Cordel fez um eco qual trovão
E o vaqueiro, exibindo o seu gibão
Sob a rima bem tocou suas boiadas
O Cordel já tem cores desbotadas
O Cordel perdeu o cheiro do sertão.

A cultura traz o próprio camponês
Como sendo do Cordel a sua alma
O campônio resistiu, manteve a calma
Esperando que chegasse a sua vez;
Pelo sol foi queimando a sua tez
Mas guardou a sua grata tradição
Alimento como arroz e o feijão
São os versos mitigando as jornadas
O Cordel já tem cores desbotadas
O Cordel perdeu o cheiro do sertão.

Hoje em dia o artista está distante
Cordelista não conhece o seu leitor
Verso agora é coisa de navegador
Sem um barco, sem um porto a jusante.
Meia dúzia de marujos visitantes
À deriva só cantando algum refrão
Terra à vista, com cordel não rima não
Entre brumas e mil ondas agitadas
O Cordel já tem cores desbotadas
O Cordel perdeu o cheiro do sertão.

aasf
MOTE E GLOSA: Silva Filho


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1003 vezesFale com o autor