Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
115 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9406)

Erótico (13483)

Frases (46405)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138156)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5502)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MUNDO DA HIPOCRISIA -- 09/04/2005 - 21:00 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197871048436300
MUNDO DA HIPOCRISIA
Autoria: Silva Filho


No mundo da hipocrisia
Uma questão se avulta
A nobreza faz suas regras
E os seus excessos, oculta
O pobre, que não tem nome
Vem a ser Filho da Puta.

Em verdade, puta é pobre
É quem não tem cabedal
Quem não tem apartamento
Nem posição social
Carro importado não tem
Tampouco tem capital.

Desde o tempo dos palácios
Desde o tempo do Império
Mulher rica na gandaia
Era sombra ou mistério
Se com os nobres transava
Mais ganhava elastério.

O respeito vem da grana
Jamais do comportamento
Não vai ser por aparências
Nem também por juramento
Que a nobreza fica indene
Ao mais firme julgamento.

Mulher pobre é meretriz
Nome chique – messalina
Puta, biraia ou piranha
Quem tem vida libertina
Sendo pobre – é devassa
Porque lhe falta a cortina.

Cortina que tem suíte
No apartamento ou motel
Onde o prazer dissemina
Coberto por denso véu
E quem não sabe inda jura
Que um anjo caiu do céu.

O rico tem concubina
E o pobre tem sua quenga
Mulher rica é sensual
E a mulher pobre é capenga
Casal rico tem dissenso
Casal pobre, lengalenga.

Mulher rica bebe vinho
E a pobre, somente pinga
Quando diz estar no cio
A rica, pro leito, zinga
Mas a pobre é só tarada
E faz amor com mandinga.

Inda grassa o preconceito
Contra a plebe ignara
A rica reforça o peito,
Bumbum, xibiu e a cara
E a pobre faz um trejeito
Porque só lhe sobra vara.

Eis o mundo de fachada
Deixando o povo perplexo
Gente sempre enganada
À procura de um nexo
A MULHER DISCRIMINADA
É PUTA, SEM VENDER SEXO.

aasf



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1039 vezesFale com o autor