Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
208 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59061 )

Cartas ( 21235)

Contos (13084)

Cordel (10287)

Crônicas (22192)

Discursos (3163)

Ensaios - (9412)

Erótico (13484)

Frases (46425)

Humor (19256)

Infantil (4428)

Infanto Juvenil (3686)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138178)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5503)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MODA DO COFRINHO -- 15/03/2005 - 09:31 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197869978508600

MODA DO COFRINHO
Autoria: Silva Filho


Eu não sou de estragar
O que vem de novidade
Estou sempre espreitando
Essa tal modernidade;
Alguém diz está criando
Ou somente estilizando
O que quer a vaidade.

Vejo a moda do cofrinho
Que também é de poupança
Em sentido figurado
Onde o pensamento alcança;
Um cofrinho estilizado
Que por trás é bem notado
Por quem gosta de nuança.

Para quem não entendeu
Este tema tão moderno
Por favor pegue a caneta
E registre no caderno;
Não precisa ser xereta
Pois já vem com etiqueta
Pra outono e pra inverno.

É uma moda mui ousada
Mostrando a parte traseira
Uma bunda sem tapume
Digamos, somente a beira;
Diz alguém que é o cume
Em matéria de costume
Com um traje de primeira.

Pela parte que me toca
Nunca vai haver querela
Pra guardar tudo que tenho
Um cofrinho me acautela;
Pela rua vou e venho
Trabalhando com empenho
Pra usar o cofre dela.

Todo mundo está gostando
E ninguém quer protestar
O negócio está grassando
Pra vender e exportar;
O comércio vai fechando
Quando o cofre vai passando
Sem deixar de rebolar.

Mas o risco é iminente
Quando o cofre se desloca
Muita gente mete a mão
Como mete a mão na loca;
Tem honesto e tem ladrão
E também tem garanhão
Que no cofre mete a broca.

Pois que vistam sua moda
Com a bunda descoberta
Mas o homem escolado
Quer achar a porta aberta;
Nem que chame o delegado
Ninguém prende um tarado
Que não recusou oferta.

Esse cofrinho de carne
Vai causar u’a barafunda
Todo homem quer pegar
E pode levar uma tunda;
Quando for depositar
Já não vai poder guardar
Seu cabedal numa bunda.

aasf.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1602 vezesFale com o autor