Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
128 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57033 )
Cartas ( 21169)
Contos (12596)
Cordel (10075)
Crônicas (22194)
Discursos (3134)
Ensaios - (8999)
Erótico (13394)
Frases (43630)
Humor (18452)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2684)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138227)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4849)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->13. AO CORRER DA PENA -- 10/11/2003 - 07:09 (wladimir olivier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
WLADIMIR OLIVIER


Queremos, neste dever,

Que você fique à vontade:

Atenda, se apetecer,

Pleno de felicidade.



Minhas quadras deste dia

Não favorecem poesia,

Pois estou com muita pressa.;

Mas, se você se estender

Por várias laudas que eu der,

Irá cumprir a promessa.



Você só tem bom ouvido

P’ra rimas de fantasia.;

Vamos ver se põe sentido,

Ao lhe ditarmos poesia.



Mas não vá tão de repente

Ao final de cada verso,

Senão o nosso repente

Vai ter final mui perverso.



A sua ousadia é tanta

Que os versos surgem sozinhos,

Mas vamos é ver quem canta,

Com mais amor e carinhos.



As rimas surgem perfeitas,

Quando não dizemos “quase”.;

São sons de mentes estreitas,

Pedindo algodão e gaze...



Não sabemos de outro jeito

P’ra ditar os nossos versos,

Mas, se não mostrar respeito,

Verá quão somos perversos.



Não quero continuar

Escrevendo coisas bobas.;

É preciso melhorar,

P’ra se ouvirem nossos “obas!”



Diremos, então, adeus,

Neste versinho final,

Pois, em nome do bom Deus,

Nós não lhe queremos mal.



Meu caríssimo escrevente,

Fique na paz de seu lar,

Você e toda essa gente,

Conjugando o verbo “amar”.



Não repare, por favor,

Nos versos que despejamos:

Não têm eles o valor

Que tanto nós desejamos.



É comum o nosso tema:

Não tem sentido profundo.;

Está claro que o problema

Vai ser abarcar o mundo.



Vamos ter de admitir

Que este amigo é persistente,

Pois não deseja ir dormir,

Sem atender a esta gente.



Sabemos que não é hora

De dizer certas palavras.

Di-las-emos sem demora:

São quadras de nossas lavras.



Quando tudo isto indicava

Para versos mais perfeitos,

Eis que ao ponto se voltava

De bater em nossos peitos.



Não tema, querido irmão.

Tudo o que hoje fizermos

Terá certa direção:

A cesta que propusermos.



Essa culpa é toda nossa,

Que estamos mui preocupados

De dizer: — “Não há quem possa

Com seres alucinados.”



Estando já em água rasa,

Recolha essas suas velas,

Volte ao conforto de casa,

Onde as ações são mais belas.



Este treino está bem frio,

Bastante prejudicado,

Entretanto, tenha brio:

Não vá ficar preocupado!



Os versinhos que fazemos,

Assim, ao correr da pena,

É só o que conseguiremos:

“Nossa alma é bem pequena...”



Caindo vão, aos pedaços,

Estas quadras que montamos.;

Receba agora os abraços:

Parece que terminamos.



Resta-nos agradecer

A bondade do Senhor,

Que, com todo bem-querer,

Faz ver que temos valor.



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui