Usina de Letras
Usina de Letras
21 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50380)

Humor (20000)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140717)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->ENTERRADA POR TRAS -- 20/10/2004 - 16:13 (Andrea di Luca) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O que acorda os meus vizinhos
Não é o BUUUM do trovão.
O fragor da tempestade
Não os arranca de seus ninhos
Nem lhes cerra o coração,
E nem lhes muda a vontade.

O que os assusta e invade
Não são os gritos da rua,
O escândalo desvairado
Que amedronta a cidade,
Entorpecendo-a nua,
Sob o berro apavorado,

Pelas ruas e avenidas,
Das sirenas da polícia.
Nem é o grito calado
De almas demais constrangidas
Que, temendo ser notícia,
Vira um uivo congelado,

Vergonhoso, vil, culpado.
O que excita essa calhorda,
E que os expulsa dos leitos,
Num mutismo depravado
Que toda essa rua acorda,
É a turba de preconceitos

Que a visão de um par de peitos,
Numa espreitada janela,
Atiça, inflama e humilha.
A sanha desses despeitos
Assim que perde a cautela,
Rosna feito uma matilha

Na qual o ódio fervilha
Como vermes ancestrais,
Auto-gerados no medo,
Sem dó de mãe ou de filha,
E instila nesses boçais
O veneno mais azedo,

Gerando um letal enredo
Que se desfaz em inveja.
A dupla penetração,
Que é dura como um rochedo,
Faz com que essa insana peja
Desça pela contra-mão

E atropele a Razão
No seu instante mais belo.
O que acorda os meus vizinhos
É uma cega tradição,
Que bate um cego martelo
E enfia os seus ferrinhos,

Cravos em forma de anjinhos,
E que adentram, dolorosos,
Em cada jardim sensível
Que se encontre nos caminhos.
E aos poucos vão, gangrenosos,
Tecer o manto invisível

Da dor mais muda e terrível,
Dor pendular e que medra
Feito a erva mais daninha,
Torna o meu grito inaudível
E, como um dedo de pedra,
Vai me abrindo, inteirinha...
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui