Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58657 )
Cartas ( 21224)
Contos (12980)
Cordel (10255)
Crônicas (22146)
Discursos (3159)
Ensaios - (9331)
Erótico (13464)
Frases (45861)
Humor (19084)
Infantil (4323)
Infanto Juvenil (3486)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137954)
Redação (3031)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5384)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Debate entre Trump e Biden -- 09/11/2020 - 15:45 (gisele leite) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

 

O último debate entre os presidenciáveis dos EUA foi, sem dúvida, mais civilizado, porém, não imune a duros golpes entre os debatedores. Enfim, a extrema polarização existente na política contemporânea dos EUA, produziu na reta final, um inédito fenômeno, a saber: não há eleitores indecisos, praticamente (calcula-se apenas cerca de 3%).

 

A novidade é que o debate não serve mais para convencer maior número de eleitores e, sim, para animá-los à votar, justamente, em meio a pandemia, pois lá é facultativo.

 

Segundo os estudiosos, a atual polarização é motriz poderoso pois ao temer o adversário, maior número de eleitores está votando antecipadamente ou se mobilizando para ir às urnas no próximo dia 3 de novembro. Outro efeito da polarização é drástica redução de votação nos chamados "candidatos nanicos", de outros partidos.

 

O que mitiga ainda mais, a margem dos candidatos para atrair, na última hora, eleitores, para seu lado na disputa pela Casa Branca... Acho que está ficando é bege.

 

Nesse debate, Trump e Biden divergem sobre a gestão durante e pandemia e trocam ataques pessoais. Discutiu-se segurança nacional, questão racial, meio ambiente e imigração.

 

Ao discutir sobre tema racismo. Trump cometeu a bravata em afirmar que desde Lincoln nenhum outro presidente fez mais pelos negros do que eu, e mais tarde, ousou afirmar que era a pessoa menos racista de todo o ambiente.  Acusou, novamente, Biden, de agir contra os negros ao votar a favor da Lei de Crimes de 1994.

 

A Lei Federal Megan fora promulgada como subseção do Ato de Registro de Crimes contra Crianças e Crimes de Roubo Sexual de Jacob Wetterling de 1994, que meramente exigia que criminosos sexuais se registrassem nas forças de segurança locais.

 

Na esfera federal, a lei de Megan é conhecida como "Sexual Offender (Jacob Wetterling) Act of 1994", de modo a forçar as pessoas condenadas por crimes sexuais contra crianças a comunicar/notificar as autoridades locais judiciais a respeito de qualquer mudança de endereço ou de emprego após a saída da custódia oficial do Estado (prisão, hospital psiquiátrico, etc).

 

A imposição da exigência de comunicar/notificar as autoridades judiciárias pode ser por um certo e determinado período de tempo (durante 10 anos por exemplo), ou de maneira permanente.

 

Biden relembrou as diversas situações em que Trump fez alusões racistas, desde de sua primeira candidatura, quando acusou o México de enviar traficantes e estupradores aos EUA até as vezes em que ofendeu militantes do movimento "Vidas Negras Importam".

 

Outro tema espinhoso é referente as 545 crianças separadas de suas famílias nas fronteiras dos EUA e que ainda não foram reunidas pois seus pais não foram localizados, o que aqueceu o debate.  Trump contra-argumentou afirmando que estão bem cuidadas as crianças e em instalações bem limpas. Só esqueceu de falar das grades e do encarceramento.

 

Enfim, o melhor do debate foi a atuação de Kristen Welker que conseguiu controlar os ânimos dos candidatos sem necessitar de recorrer ao botão de mudo.

 

No fim, o silêncio sempre traz as melhores respostas. Aguardemos cenas dos próximos capítulos.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 17 vezesFale com o autor