Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
247 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58157 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22094)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18938)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3234)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138720)
Redação (2996)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->DEPOIMENTO DE BENÉ - MEU EDITOR -- 02/08/2020 - 11:08 (Francisco Miguel de Moura) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

DEPOIMENTO DE BENÉ, MEU EDITOR    

            Francisco Miguel de Moura, escritor, membro da Academia Piauiense de Letras

 

Há tempos tenho comigo um depoimento, por carta, devidamente autorizado a publicação. Não o divulguei imediatamente. Gosto das coisas pensadas e repensadas. Tenho paciência de cozinhar pedras. Hoje, pronto, resolvi. Aqui está. Quem o escreveu foi BENEDICTO LUZ E SILVA, editor, o grande idealista da Editora do Escritor -  São Paulo, que completou 3 décadas de existência .  Seu fundador e atual mentor, Luz e Silva, nasceu a 20 de setembro de l936, é poeta, contista, cronista, romancista, crítico literário, formado em Direito e membro da UBE – SP.  Recebeu o Prêmio “Alphonsus de Guimaraens”, da Academia Mineira de Letras, 1966, entre outros. Sua obra: “Um Corpo na Chuva”, 1972 (romance); “Sol nos Olhos”, 1975 (romance);  “A Morte do Cão” , 1976 (contos); “Fuga para o Fim”, 1977 (romance); “Vento Noturno”, 1978 (poesia); além de participações várias em livros coletivos. Mas, acima de tudo, Bené – como o chamam seus editados, entre os quais me incluo – possui um ideal nobre e procura concretizá-lo, aos trancos e barrancos, não desiste nunca. É a sua editora, a nossa editora, a Editora do Escritor. Não se trata de milagre, é trabalho e persistência, fé. Ele nos declara aquilo que nós já sabemos dele: - “Aprendi a não dizer senão o essencial. Quando não posso elogiar, prefiro hoje o silêncio. Claro que, como todo mundo, tenho minhas opiniões, mas será que tenho de externá-las, quando são desfavoráveis à alguém? Antes, em termos de literatura, eu achava que sim, porque amigo de Platão, porém mais da verdade, como no ditado antigo, - até que vi que isso era muito bonito na teoria, mas terrível na prática.” (Cta.de 5/101999).

Agora, o depoimento a meu respeito: - “Eu sabia que você era candidato a Deputado Estadual em seu Estado e torci para que saísse vitorioso, porque sei de seus méritos como homem e como intelectual. Lamento que não tenha obtido a votação a que fazia jus, menos por você do que pelo povo de sua terra, porque sei dos seus altos ideais e do bom senso para concretizá-los. Acredito que você já tenha dado a volta por cima e sacudido a poeira. De propósito não lhe escrevi de imediato, porque imaginei como devia estar o seu estado de espírito. Mas nada como o tempo para repor tudo em seus lugares. Esteja certo de que ganhou você em não ser eleito. Não é o desejo de consolá-lo que me leva a dizer isso. Infelizmente, a política, como é praticada entre nós, conduz a becos sem saída. Se há benessses, sinecuras, privilégios, por outro lado, há também cobranças, subserviências, corporativismo. Você, com seu alto espírito cívico, com sua moralidade, na certa sofreria muito em meio a tantas transações de interesses conflitantes. Bom que você se sinta agora livre dos compromissos políticos. Tenho certeza que cumprirá seu destino com galhardia, continuando a escrever e publicar.

            Recebi a biografia de Rejane Machado. Grato. A coletânea “Mural de Azulejos” começa a ser composta agora em janeiro, pois já temos o número necessário de participantes para um bom volume. É fundamental plantar e distribuir qualidade. Uílcon Pereira sempre me dizia que era preciso publicar mais artigos de crítica, porque eram eles que sedimentavam o prestígio de um autor.  Aliás, nisso ele repetia Ezra Pound que sempre pregou a necessidade de se escrever sobre os escritores enquanto estavam vivos. Por mim, sempre que posso, cumpro essa missão.

Sou grato a você por divulgar  novamente o que escrevi sobre sua obra. Se bem me lembro, também escrevi sobre “Os Estigmas”. Uma vez me pediram um levantamento sobre os artigos que escrevi e cheguei a mais de 200, entre assinados e não assinados. É aquilo de a gente ir escrevendo como respira, quando vê, tem um rio de palavras atrás.  Que tudo tenha servido para alguma coisa.” (Cta.de Benedicto Luz e Silva, de 8/12/1998 ).

Serviu, sim, Bené. “Tudo vale a pena, se alma não é pequena”, já o disse Fernando Pessoa,  o grande poeta do século. E sua alma é grande, Bené: sua alma e sua obra. Aí está para quem quiser ver. Tanto a obra material, quanto a espiritual, seus escritos.

DEPOIMENTO DE BENÉ, MEU EDITOR    

            Francisco Miguel de Moura, escritor, membro da Academia Piauiense de Letras

 

Há tempos tenho comigo um depoimento, por carta, devidamente autorizado a publicação. Não o divulguei imediatamente. Gosto das coisas pensadas e repensadas. Tenho paciência de cozinhar pedras. Hoje, pronto, resolvi. Aqui está. Quem o escreveu foi BENEDICTO LUZ E SILVA, editor, o grande idealista da Editora do Escritor -  São Paulo, que completou 3 décadas de existência .  Seu fundador e atual mentor, Luz e Silva, nasceu a 20 de setembro de l936, é poeta, contista, cronista, romancista, crítico literário, formado em Direito e membro da UBE – SP.  Recebeu o Prêmio “Alphonsus de Guimaraens”, da Academia Mineira de Letras, 1966, entre outros. Sua obra: “Um Corpo na Chuva”, 1972 (romance); “Sol nos Olhos”, 1975 (romance);  “A Morte do Cão” , 1976 (contos); “Fuga para o Fim”, 1977 (romance); “Vento Noturno”, 1978 (poesia); além de participações várias em livros coletivos. Mas, acima de tudo, Bené – como o chamam seus editados, entre os quais me incluo – possui um ideal nobre e procura concretizá-lo, aos trancos e barrancos, não desiste nunca. É a sua editora, a nossa editora, a Editora do Escritor. Não se trata de milagre, é trabalho e persistência, fé. Ele nos declara aquilo que nós já sabemos dele: - “Aprendi a não dizer senão o essencial. Quando não posso elogiar, prefiro hoje o silêncio. Claro que, como todo mundo, tenho minhas opiniões, mas será que tenho de externá-las, quando são desfavoráveis à alguém? Antes, em termos de literatura, eu achava que sim, porque amigo de Platão, porém mais da verdade, como no ditado antigo, - até que vi que isso era muito bonito na teoria, mas terrível na prática.” (Cta.de 5/101999).

Agora, o depoimento a meu respeito: - “Eu sabia que você era candidato a Deputado Estadual em seu Estado e torci para que saísse vitorioso, porque sei de seus méritos como homem e como intelectual. Lamento que não tenha obtido a votação a que fazia jus, menos por você do que pelo povo de sua terra, porque sei dos seus altos ideais e do bom senso para concretizá-los. Acredito que você já tenha dado a volta por cima e sacudido a poeira. De propósito não lhe escrevi de imediato, porque imaginei como devia estar o seu estado de espírito. Mas nada como o tempo para repor tudo em seus lugares. Esteja certo de que ganhou você em não ser eleito. Não é o desejo de consolá-lo que me leva a dizer isso. Infelizmente, a política, como é praticada entre nós, conduz a becos sem saída. Se há benessses, sinecuras, privilégios, por outro lado, há também cobranças, subserviências, corporativismo. Você, com seu alto espírito cívico, com sua moralidade, na certa sofreria muito em meio a tantas transações de interesses conflitantes. Bom que você se sinta agora livre dos compromissos políticos. Tenho certeza que cumprirá seu destino com galhardia, continuando a escrever e publicar.

            Recebi a biografia de Rejane Machado. Grato. A coletânea “Mural de Azulejos” começa a ser composta agora em janeiro, pois já temos o número necessário de participantes para um bom volume. É fundamental plantar e distribuir qualidade. Uílcon Pereira sempre me dizia que era preciso publicar mais artigos de crítica, porque eram eles que sedimentavam o prestígio de um autor.  Aliás, nisso ele repetia Ezra Pound que sempre pregou a necessidade de se escrever sobre os escritores enquanto estavam vivos. Por mim, sempre que posso, cumpro essa missão.

Sou grato a você por divulgar  novamente o que escrevi sobre sua obra. Se bem me lembro, também escrevi sobre “Os Estigmas”. Uma vez me pediram um levantamento sobre os artigos que escrevi e cheguei a mais de 200, entre assinados e não assinados. É aquilo de a gente ir escrevendo como respira, quando vê, tem um rio de palavras atrás.  Que tudo tenha servido para alguma coisa.” (Cta.de Benedicto Luz e Silva, de 8/12/1998 ).

Serviu, sim, Bené. “Tudo vale a pena, se alma não é pequena”, já o disse Fernando Pessoa,  o grande poeta do século. E sua alma é grande, Bené: sua alma e sua obra. Aí está para quem quiser ver. Tanto a obra material, quanto a espiritual, seus escritos.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui