Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
24 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59030 )

Cartas ( 21233)

Contos (13074)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9399)

Erótico (13482)

Frases (46374)

Humor (19245)

Infantil (4422)

Infanto Juvenil (3668)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138127)

Redação (3048)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5490)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Entrevista -- 25/02/2020 - 00:36 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

 

IESB

ENTREVISTA – Prof. João Ferreira

 

1- Professor João Ferreira: conte-nos um pouquinho sobre sua vida profissional.

Sou professor universitário em Brasília, desde 1968,  e como tal desenvolvo as atividades de ensino, de pesquisa, de autor de textos e de divulgação de de livros além de cumprir  atividades de extensão junto de comunidades universitárias e da sociedade em geral. Como docente procuro colocar nas atividades de transmissão de conhecimentos e de aprendizagem minhas melhores energias.

 

2 – Conte-nos um pouquinho sobre sua vida como escritor e poeta.

Gosto de ler e escrever. Esse gosto me levou a escrever  alguns livros de teor acadêmico nas áreas de Letras e Filosofia. Minha tese de doutorado foi sobre o filósofo português Pedro Hispano e a monografia escrita por ocasião de meu pós-doutorado em Portugal em 1993 foi sobre A Questão do pré-modernismo na Literatura Portuguesa. Em 2008 publiquei o livro Reaprender a olhar que é um livro de crônicas que trata das relações entre homem e mulher na sociedade contemporânea.Como Poeta, publiquei o livro “A alma das coisas” em 2004 e tenho hospedados na Internet cerca de 700 poemas. Tenho muitos ensaios, artigos, e crônicas na Internet e muitos artigos de filosofia e de crítica literária publicados em revistas científicas.

 

3 - Nos últimos 10 anos quantos livros o senhor publicou?

Fui coordenador de tradução e um dos tradutores do Dicionário de Política de Norberto Bobbio e tradutor de As Ideologias e o poder em crise do mesmo autor Norberto Bobbio, editados pela UnB. Livros em sentido rigoroso tenho poucos. Publiquei parte da minha tese de doutorado, um livro sobre o Problema da Filosofia Portuguesa, um livro sobre A questão do Pré-Modernismo na Literatura Portuguesa, Reaprender a Olhar e Uaná, narrativa africana, cuja edição foi preparada pela editora Cultur e financiada pelo FAC do DF. Mas tenho mais de 60 comunicações apresentadas em congressos nacionais e internacionais e mais de 200 artigos publicados em revistas, periódicos, coletâneas e atas e anais de congressos.

4 – É bom viver?

Amo a vida. Entendo a vida como um dom que temos de descobrir. Viver é viajar,é estar  a caminho do descobrimento de nós mesmos e do aperfeiçoamento de nossas relações com o mundo e com as coisas. Como dizia Guimarães Rosa “Viver é muito perigoso”. Isso significa para mim que  viver é um desafio que nos coloca entre a elevação e a degradação, entre a realização e o fracasso. Buscar um equilíbrio de visão  de vida é o segredo da existência humana. Ter cabeça limpa, saber analisar e tratar com sabedoria nossas dificuldades e descomplicar nossos obstáculos é a melhor forma de encontrarmos um caminho para termos nossa própria alegria de viver.

5 – Qual o segredo para se viver bem?

Não sei se há  propriamente um segredo para se viver bem. Talvez seja mais certo dizer que há muitos segredos que a vida nos vai revelando. Importante é que cada pessoa encontre e defina uma  atitude de busca e de aprofundamento de seu sentido de existência. Quando somos sinceros e buscamos com simplicidade e humildade nosso caminho, a vida torna-se uma atividade prazerosa. Somos um pequeno grão de areia na poeira universal do cosmo. Não cabe orgulho, nem prepotência, nem imbecilidade. Cabe tranqüilidade e aplicação e participação. Somos caminheiros. Há que aprender o segredo de viajar, a sós e em sociedade. Uma coisa e outra são necessárias. Não perder o sentido da transcendência e da sublimidade profunda do mistério da vida – eis a questão!

Brasília 10 de maio de 2010

 

Comentários

Lita Moniz  - 25/02/2020

Parabéns, uma bela entrevista, um mestre a ensinar o que é a vida, os segredos do bem viver.

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 75Exibido 93 vezesFale com o autor