Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
107 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57516 )
Cartas ( 21184)
Contos (12610)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44291)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Analisando e revendo -- 14/07/2019 - 08:29 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Escrevo sem saber ler, mas escrevo num sentir do diabo de cão nas favelas da vida cheia de gente. A cada pingo de letras, um olhar humano nas calçadas, uma família tentando sobreviver diante dos palácios religiosos que afrontam uma realidade povo. Nos hospitais, as filas a serem tangidas como gado para o matadouro e por trás do balcão, os donos da saúde humana que não acreditam na transformação do Ser. Olham com desdém para o efermo eleitor que votou num militar afim de receber um tiro no pé. Pobre gente! Acredito que pela ignorância, são até felizes mas causam dor à filosofia Cristo na essência humanista. Hoje, é domingo, o domingo de desfiles nos obreiros de uma fé fedida a Deus Dará. O dormir dos pastores, segue o paradoxo das ovelhas de terno e gravata que fazem lembrar o Roque Rita Lee na música " O bode e a cabra" e "Meu bom José". Não sou poeta, me considero um falido com a impotente vida diante de uma covardia coletiva da satisfação do umbigo. O Tempo tem a perfeição tempo arrumado a cada arrogância e prepotência. Não sou escritor, não sou poeta, não gravo nada, escrevo com Útero de outrora na luz Manguaba (minha lagoa) e descalço, rendo homenagem a essa mãe água do meu Apilado Pilar. Terra do Humanista Artur Ramos e dos Bagres, onde dera bode...

Marcos Alexandre Martins Palmeira 

Maceió, 14 de julho de 2019.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui