Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
99 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Ruinas -- 16/04/2019 - 04:47 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Ruínas


Sou os escombros dos meus escombros e dos escombros alheios que tentam desconstruir-me com riqueza de revoltas e pobreza de argumentos. Caminho e observo tantos escombros tentando se reeguer mas a guerra que travam dentro de si para estabelecer sua verdade minimamente absoluta pela verdade relativa que atinge a todos indiscriminadamente, faz-me crer que o que sou, e devo ao meu passado. O meu presente ainda que ausente pela minha ingratidão e memória curta por todos aqueles que de uma forma ou de outra, me ajudaram a chegar até aqui, mancham a minha visão intelectual de reconhecer que nada sou sem um conjunto de fatos históricos, sejam individuais e coletivos. Não olhar o passado, é inconscientemente negar-me de algo que trazem péssimas imagens históricas sejam da minha existência, ou da existência de grupos. Se não encerro o meu ciclo junto ao passado, facilmente verei e reviverei a tudo e a todos numa versão atualizada. As últimas eleições são a prova factual de que quando recuso a enxergar o passado, tudo se repete. Por isso, o retorno daquilo que maculou a história nacional por 21 anos estar a rondar fantamasgoricamente, enquanto eu aprecio os mortos à minha volta e limito minha observação àquilo que é consequência de algo bem maior do que eu mesmo. E aí pergunto: será que uma história isolada só é fruto unicamente do livre arbítrio a que o ser humano tem o direito ou será a minha revolta diante meu próprio entorpecimento que me fazem negar que sou TAMBÉM fruto do meio?


Marcos Alexandre Martins Palmeira 
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui