Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
16 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Calvário...cada um carregando sua cruz -- 15/04/2019 - 04:44 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Calvário....cada um carregando sua cruz

Nunca fui de usar a cruz, grau máximo da cristandade, nas mãos ou pescoço. Não vejo necessidade em exposição do que está fincado e tal qual uma espada, adentrou o meu coração. O filho de Zé, o carpinteiro, não deseja ser exposto sem sentir o peso da minha cruz. Diariamente, sigo caminhos e observo melindres próximos, assim como os meus que me sugerem a batalha da resistência ao me reconhecer o próprio calvário que faz meus sentimentos pesaram tal qual a enorme cruz de madeira por Ele carregada. Meus pensamentos pesam sobre meus ombros e minhas costas surradas ainda me mantêm erguidos enquanto percorro silenciosamente entre erros e acertos. Mais erros. Sinto-me um ser inacabado e pretérito imperfeito, pois o mais que perfeito já é a imperfeição transfigurada nas relações interpessoais. Olho, e peço por vinagre que me permite caminhar com a pressão sanguínea a pulsar até meu gólgota. À volta, nas voltas que a humanidade dá, jamais desejo esquecer aos que conheci por merecimento ou por mero acaso, mas caso não fosse obrigatório, preferia caminhar com o mundo sem a ele abraçar. Os braços são curtos, surdos e não trocam palavras, embora toquem a pele. O sentir, vem dessa cruz amarga e guardada em mim e no outro, sendo o toque dos abraços limitados demais. A sensibilidade que percorre o calvário, está em mim, em você, em todos. Cada um no seu cada qual sabe a dor e a delícia de ser e de ao outro, oferecer seu ombro pra ajudar a carregar sua cruz. Cruz que fazem caminhos se cruzarem, não implica em solidariedade. É preciso acurácia de percepção em ver no outro o Cristo que nunca vi.

Uma semana Santa com a santidade peculiar de cada um.


Marcos Alexandre Martins Palmeira 
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui