Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
97 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57774 )
Cartas ( 21192)
Contos (12698)
Cordel (10211)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13427)
Frases (44588)
Humor (18711)
Infantil (3976)
Infanto Juvenil (2916)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138422)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5044)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NÃO SEJA CONTRA A SI MESMO ! -- 09/08/2004 - 18:08 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
NÃO SEJA CONTRA A SI MESMO ! (*)
José de Sousa Dantas, em 09/08/2004

É falta de consciência,
de justiça, gratidão
a quem lhe deu condição
de gerar sua existência,
pois constitui violência,
quem por acaso destrate,
que continue o debate
e resulte numa defesa.
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Por mais que haja campanha
em prol do meio ambiente,
ainda tem muita gente
que não respeita e estranha
uma ação, não acompanha,
não defende e nem debate,
parece imbecil, orate,
que vai contra a correnteza.
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Agrotóxico envenena,
desmatamento elimina
a paisagem genuína,
deixando uma triste cena,
pois quem vai pagar a pena,
desse infortúnio embate,
é o homem para resgate
da sua maior riqueza.
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Se verificam os estragos,
nos pantanais e nos rios,
em barragens e baixios,
açudes, poços e lagos,
propriedades, bens vagos,
colocando em xeque-mate,
por falta de arremate,
de cuidado e de presteza.
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Em todo país do mundo
existe poluição,
a culpa é do cidadão,
que deixa ambiente imundo;
e às vezes por um segundo,
causa o maior disparate,
não hão setor que empate
esse papel de vileza !?
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Não destrua, não agrida
as coisas da natureza,
que ela é com certeza
o sangue da nossa vida;
sempre adote essa medida,
não a polua e nem mate,
mas seja fiel e trate
sua vida com firmeza.
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

Preserve o pé de jucá,
de angico e de pereiro,
de ipê e marmeleiro,
cumaru e trapiá,
aroeira e jatobá,
canela, manga, abacate,
goiaba, pinha, tomate,
baraúna, framboesa,......
Nosso mal à natureza
sobre nós mesmos se abate.

(*) Estrofes desenvolvidas com base no
Mote do poeta Mário Roberto Guimarães.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 69Exibido 837 vezesFale com o autor