Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
261 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57940 )
Cartas ( 21204)
Contos (12789)
Cordel (10234)
Crônicas (22050)
Discursos (3145)
Ensaios - (9188)
Erótico (13450)
Frases (45028)
Humor (18876)
Infantil (4089)
Infanto Juvenil (3119)
Letras de Música (5496)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138516)
Redação (2984)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5184)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Tudo o quanto eu vi sonhando, queria ver acordado -- 28/07/2004 - 09:02 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Tudo o quanto eu vi sonhando, queria ver acordado (*)
José de Sousa Dantas, em 28/07/2004

O que mais eu desejava
no meu SONHO conseguia,
era grande a alegria,
feliz, eu comemorava,
minha vida melhorava,
sentindo realizado,
satisfeito e inspirado,
desenvolvendo e avançando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Eu quantas vezes num SONHO
alcançava o ideal,
parecia ser real,
não era nada enfadonho,
eu prosseguia risonho,
contente, entusiasmado,
glorioso e deslumbrado,
inda hoje estou lembrando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Os SONHOS são casuais,
em criança, jovem, adulto,
pobre, rico, leigo, culto,
com fantasias mentais;
alguns se tornam reais,
outros não têm resultado,
e nenhum será acabado,
estamos sempre criando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Quantas vezes eu sonhei
que estava namorando,
uma deusa me abraçando,
beijando, me inebriei,
no apogeu, acordei,
ainda bem-humorado,
sem a ninfa do meu lado,
aí fiquei só pensando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Ontem sonhei que estava
no lugar que fui nascido,
eu ficava distraído,
pelo campo caminhava,
muita fartura encontrava,
da produção do roçado,
o pátio cheio de gado,
e os passarinhos cantando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Eu sonhei que acertava
no bolão da loteria,
maior parte da quantia,
para mim se destinava,
muitos planos eu traçava,
tudo estava desenhado
do jeito do meu agrado,
e o dinheiro ia aumentando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Sonhei cantando repente,
na maior competição,
ganhava de campeão,
recebia uma patente,
para mim grande presente,
nesse dia, consagrado,
ficava mais afamado
entre os heróis no comando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Qualquer um sonha dormindo,
na vida sempre existiu,
boa parte nos serviu
e continua influindo,
eu estou admitindo
o melhor do meu passado,
no presente recordado,
dessa forma versejando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Todo homem tem na vida
seus SONHOS para contar,
deseja realizar,
a parte melhor fruída,
aposta na investida,
continua alucinado,
e os meus têm me levado
a versar de vez em quando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

Sonhei produzindo mel
num canteiro da USINA,
uma produção divina,
que engrandecia o CORDEL,
abrilhantando o painel,
tornando o SONHO dourado,
sentia realizado
com o povo festejando.
Tudo o quanto eu vi sonhando,
queria ver acordado.

(*) Mote do poeta repentista Geraldo Amâncio.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui