Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57762 )
Cartas ( 21192)
Contos (12699)
Cordel (10207)
Crônicas (22326)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13426)
Frases (44560)
Humor (18707)
Infantil (3973)
Infanto Juvenil (2911)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138413)
Redação (2955)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5040)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Saudade da adolescência -- 23/06/2004 - 12:24 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Foi não foi eu recordo com saudade os primores da minha adolescência
José de Sousa Dantas, em 23/06/2004

Mergulhei no atlântico da infância,
me banhei na maior felicidade,
resgatando a minha identidade,
de uma fase de tanta exuberância,
de desejo, de sonho e de fragrância,
cultivando o sabor da inocência,
os encantos da minha procedência,
que relembro com sensibilidade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

O lugar que nasci e fui criado,
a casinha, o alpendre e o terreiro,
o baú, o jirau, o candeeiro,
a vazante, o pomar e o roçado,
a cocheira, o pilão, curral de gado,
tudo o quanto existia na querência,
as relíquias da velha residência,
inda hoje mantêm a qualidade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Eu me sinto criança novamente
visitando o lugar que fui criado,
o meu peito se sente confortado,
firme, forte, vibrante e sorridente,
conferindo as belezas do ambiente,
os perfumes da minha preferência,
com apreço, prazer e consciência
retornando à mesma alacridade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Nos domingos eu ia passear
com meus pais numa casa de um parente,
era enorme pra mim esse presente,
com as outras crianças ia brincar,
nem pensava na hora de voltar,
entretido naqula conivência,
satisfeito, feliz, na convivência,
desfrutando a maior felicidade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Eu chegava na casa de vovô,
conversava, brincava e me empolgava,
divertia, lanchava, aproveitava
as belezas naquele bangalô,
esse tempo marcante que passou
só conserva sutil reminiscência,
me servindo de luz e referência
aquela imortal propriedade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Com dinheiro de folhas de cigarro;
um curral cheio de gado de osso,
um rosário de coco no pescoço,
quarta, pote, alguidar, feitos de barro,
anzol, foice, chapéu, bisaco e carro;
e castanhas juntava com freqüência,
qualquer outro brinquedo de excelência,
cada um tinha a sua utilidade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Eu brincava com bila, baleeira,
arapuca, bozó, lata e jirau,
landuá, fojo, cavalo de pau,
carrapeta, pião de aroeira,
cera, cuia, carranca, carvoeira,
carretel e pilão de resistência,
cavalete, canoa, na revência, ......
taça, barco e castelo de verdade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Minha infância foi bela e radiante,
magnífica, sadia, proveitosa,
agradável, serena, fabulosa,
cristalina, atraente, edificante,
expressiva, dinâmica, deslumbrante,
cheia de esperança e florescência,
de encanto, sorriso e transparência,
de proeza, de luz, prosperidade.
Foi não foi eu recordo com saudade
os primores da minha adolescência.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 68Exibido 1329 vezesFale com o autor