Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12601)
Cordel (10073)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43603)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2672)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138213)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->UM AMOR EXTRA-TERRESTRE -- 12/07/2003 - 22:16 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


UM AMOR EXTRA-TERRESTRE







Jan Muá

12 de julho de 2003





Sinto-me balançado em fantásticas correrias

Pelo universo da navegação

Ao encontro das palavras amigas

Que me saúdam e me cantam em hinos de amor!



Sou apenas um peregrino alvo de emoções

E de palavras ditadas em versos

Que se tornaram minha pista de circulação

E de intercâmbio



Sinto que são redondas as palavras aqui

Todas carregadas de eletricidade

E que em sua rota normal provocam aguaceiros e trovões

Sei que são portadoras algures de céus límpidos e de horizontes azuis

Capazes de ditar cósmicas harmonias



Atenho-me à travessia de simples cibernauta

Que se movimenta e expressa

Agarrado às palavras que assestam baterias numa direção

Palavras que carrego feliz porque me impressionam

Me ensinam me fazem pensar e responder



Palavras que me mostram poemas de amor

De entranhados sentidos

Elaborados pela tua capacidade de leitura

Dos grandes mundos que referem a relação

Deste meu mundo com o teu

Palavras engenhosas e eletrizantes que aproximam tua alma da minha

E diluem no espaço as tendências de corpos desejosos de aventura

Porém sempre represados nas carcaças dos espaços e tempos impostos

Que correm à margem da poesia



Palavras que formam a espinha dorsal de nossos poemas dialogantes

De aproximação de singularidades

Poemas que não se perdem nos espaços infinitos porque retêm uma retórica de proximidade cercando Palavras de autoria com outras palavras de sentido que viajam em direção aos sujeitos pressupostos nos versos



Aqui em minha cidadela há versos

Mas há uma alma específica que me ilumina

Talvez uma musa-rainha ou uma fada de destinos

Com um coração em expansão e uns olhos mágicos

Me ditando sensações que me articulam na direção do diálogo em propósitos indefinidos.



Jan Muá

12 de julho de 2003





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 74Exibido 750 vezesFale com o autor