Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50353)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140710)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Quarta-Feira de Cinzas -- 13/07/2000 - 19:25 (André Mellagi) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Hoje os confetes já não voam e amontoam-se promíscuos pelo meio-fio. Pequenas làmpadas enroscadas nos postes da praça já não desfilam suas fantasias de supernovas, queimadas após intenso fulgor. O vento riscava seu murmúrio por entre os becos levantando lantejoulas que se escondiam do dia. A marcha sob a regência dos corações havia bombeado pelas artérias da cidade síncopes de dança frenética, onde bacante bêbada e pintada no rosto esbarrava por entre foliões desculpando-se com seu dialeto bárbaro e recomeçando o toque no tambor.

Os cacos verdes de garrafas que libertaram o gênio agora aprisionam a luz vacilante da manhã. Em tudo impregnava o esquecimento numa mistura de êxtase e sono. As taças de plástico amassadas ainda escondem vestígios de suor e saliva comungados. A purpurina dos andróginos sorridentes foi diluída na multidão de rostos anónimos que entrecruzava olhares estreitos. Aos poucos a piracema se dispersou em bandos cansados de donzelas empiranhadas, pouco afeitas com o salto alto.

Ali, no chão de pedras lisas da praça, rodopiou a calunga. Súditos com fitas coloridas pendendo das cabeças e dos estandartes aguardavam a majestade. Restos da indumentária de uma rainha espalham-se por entre os cantos batizados em sangue, urina e sêmen. Nem o mendigo estava mais no seu leito de ripas de madeira do banco fortuito, de onde póde rir do doutor vestido igual a ele, mas ridículo sem a classe dos seus andrajos três-quartos.

A praia marulhava solta sem ser calada pelas explosões lançadas à noite no céu por pequenas embarcações iluminadas; rápidas constelações captadas pelo astrolábio indicavam a vinda da época de muda. O mar engole as crisálidas manchadas de clorofórmio e uma mulher, com seus parangolés fora de época e lugar, recolhe as últimas latas de cerveja para enfiá-las num grande e precioso saco. Esta manhã todos dormem e os gritos das úlceras ainda adormecem no tique-taque de bombas-relógio.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui