Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138240)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->Carta de uma cerejeira em flor - Naomi Kawase -- 24/01/2016 - 02:45 (Georgina Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Assistimos ao filme desavisados. Estávamos no Instituto Moreira Sales, e a sessão, prestes a começar. O documentário japonês remeteu-me ao crepúsculo do meu pai, experiência da qual nunca me consegui desvencilhar. O martírio diário. A percepção de uma vida esvaindo-se paulatinamente. O enorme sentimento de impotência. E, após consumidos longos anos da minha juventude, o ápice da perda total. Restou-me então a cama vazia, próxima à enorme vidraça do jardim de inverno contíguo ao quarto.

O trabalho sensibilizador análogo é de Naomi Kawase e intitula-se "Carta de uma Cerejeira Amarela em Flor" (2003). O projeto iniciou-se com um pedido de Nishii Kazuo, renomado crítico de fotografia: “- Não tenho mais do que dois meses de vida. Você me filmaria até o meu último suspiro? Conto com você, Kawase.” E ela o fez com dignidade, acompanhando-o em  seu trajeto final. Justo pela remessa a lembranças doídas, sinto-me capacitada a falar dele. Ressalto a beleza e o respeito com que a cineasta registrou algo tão triste e desalentador. A filmagem no hospital, simples e arrastada, agrega à alma do espectador a experiência subjetiva e lenta do esperar pela morte. Da janela avistava-se uma cerejeira, único desvio da câmara além de algumas circuladas pelo quarto e duas externas para a realização de exames clínicos. Barulho de crianças, no pátio abaixo, intensificavam-se estrategicamente em determinadas situações. O fotógrafo estabelecia semelhanças entre a sua vida e a árvore, única visão do quarto: "Meu destino é cair como uma folha de cerejeira".

O comedimento comum aos orientais, assim como a melhor convivência com o silêncio, destacam a delicadeza com que Naomi conduziu os poucos diálogos. Neles, o respeito e a reverência por uma vida prestes a se esgotar. Não há fundo musical, nem efeitos. A câmara desliza pelo rosto de Nishii, seu corpo e suas veias. Afasta-se e retorna, como se os massageasse suavemente. Quando fecha em close, temos a impressão de poder tocá-loNum certo momento, Naomi afirma que não aprecia o termo "documentário" por remeter a registros mortos ou frios (não me lembro as palavras usadas, mas fica a idéia). Preferiria "memórias", por serem mais vivas e adequadas. Kazuo contesta, meio ao desconforto da fraqueza física, alegando que as memórias pertencem a um momento que não mais existe. Mortas, portanto.

"..O que se mantém em mente já está morto. Memorizamos o que não existe mais. Logo, é triste ter algo na memória.."

Enfim...Algumas das últimas cenas foram justamente a cama vazia e o enterro do fotógrafo. Só quem vivenciou uma grande perda (não lhe cerceado o direito de vivenciar fisicamente o grande ritual de passagem) tem a dimensão do que isso representa.  

O documentário pode ser visto baixando o download abaixo (c/ legendas em português): http://www.filmesdetv.com/tsuioku-no-dansu.html .

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui