Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62422 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22547)

Discursos (3240)

Ensaios - (10460)

Erótico (13578)

Frases (50823)

Humor (20078)

Infantil (5493)

Infanto Juvenil (4817)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140878)

Redação (3322)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6241)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Infantil-->O cãozinho de Caroline -- 20/11/2023 - 13:58 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

 

 

Close up of mixed-breed Bill the dog looking at the camera with soulful eyes ‘Bill was a medium-sized mongrel with a lot of terrier in him and a pair of expressive brown eyes.’ The pet I'll never forget Life and style The pet I’ll never forget: Bill the rescue dog was easily terrified. But biscuits were a great comfort More than 70 years ago, our gentle pup would roam free near our home in the Malvern Hills. Little did we dream what he was getting up to Caroline Westgate Mon 20 Nov 2023 11.00 GMT My parents were never without a dog, and Bill was their second. He came from Battersea Dogs & Cats Home during the second world war, having been found wandering in the street after an air raid. A medium-sized mongrel with a lot of terrier in him and a foxhound’s colouring, he was blessed with a biddable temperament and a pair of very expressive brown eyes. His experience of the blitz had left him with a canine version of shellshock. We children never played with toy guns near him, because even clicking the trigger would make him quiver with fright. Bonfire Night absolutely terrified him, and someone had to sit with him under the stairs until it was all over. In normal circumstances, Bill calmly blended in with family life, only losing composure if a cat crossed his path. At mealtimes he would select one of us children, gently rest his muzzle on a knee and fix us with his appealing eyes, until a bacon rind or a bit of meat was smuggled under the table. Bill’s passion was retrieving balls. If we played cricket, we would have to shut him in the house because he would grab the ball before it had travelled more than a few inches from the bat. We would let him out if we’d lost the ball, though. We just had to point at whatever thicket it had disappeared into, say “Fetch it!” and he would plunge in, locate the ball within seconds, and drop it at our feet. I don’t remember our parents ever taking Bill for a walk; I doubt they even owned a lead. Our garden was unfenced and backed on to the Malvern Hills. It was assumed he would exercise himself by chasing rabbits up there. However, we discovered eventually that instead of going up the hill, every morning Bill headed down it, towards a row of shops. Somehow, he’d worked out that around 11am the shop assistants took a break, at which point there were biscuits to be had. He would do the rounds at the appropriate time, and people would share their snacks with him. One of his benefactors was a lady who ran a bookshop. She dressed in tweed suits and wore a monocle. A notice on her door read: “No dogs allowed.” One morning, our mother was in the bookshop when Bill emerged from the owner’s inner sanctum. Embarrassed, Mother confessed he was her dog and expected to be ejected from the premises in disgrace. But the tweedy owner said Bill had so charmed her that she had made an exception to her “no dogs” rule. She even kept packets of sugary biscuits in her office just for him, because he preferred them to the more spartan variety she ate herself. My whole family was grief-stricken when at the end of a long life this wonderful animal died. He had many successors and there are stories about them too, but Bill was the very best of them.

clear

​

 

 

 

 

Resultado da tradução

Close do cachorro Bill mestiço olhando para a câmera com olhos comoventes ‘Bill era um vira-lata de tamanho médio com muito terrier e um par de expressivos olhos castanhos.’ O animal de estimação que nunca esquecerei Vida e estilo O animal de estimação que nunca esquecerei: Bill, o cão resgatado, ficava facilmente apavorado. Mas os biscoitos eram um grande conforto Há mais de 70 anos, nosso gentil cachorrinho vagava livremente perto de nossa casa em Malvern Hills. Mal sonhávamos o que ele estava fazendo

Caroline Westgate Seg, 20 de novembro de 2023, 11h00 GMT

Meus pais nunca ficaram sem cachorro e Bill era o segundo. Ele veio da Battersea Dogs & Cats Home durante a Segunda Guerra Mundial, tendo sido encontrado vagando na rua após um ataque aéreo. Um vira-lata de tamanho médio com muito terrier e coloração de foxhound, ele foi abençoado com um temperamento dócil e um par de olhos castanhos muito expressivos. Sua experiência na blitz o deixara com uma versão canina do choque. Nós, crianças, nunca brincávamos com armas de brinquedo perto dele, porque até clicar no gatilho o faria tremer de medo.

As Noites de Natal o aterrorizavam totalmente, e alguém teve que sentar com ele embaixo da escada até que tudo acabasse. Em circunstâncias normais, Bill integrava-se calmamente na vida familiar, só perdendo a compostura se um gato cruzasse o seu caminho. Na hora das refeições ele escolhia uma de nós, crianças, apoiava delicadamente o focinho num joelho e fixava-nos com o seu olhar atraente, até que uma casca de toucinho ou um pedaço de carne fosse contrabandeado para debaixo da mesa. A paixão de Bill era recuperar bolas. Se jogássemos críquete, teríamos que trancá-lo em casa porque ele agarraria a bola antes que ela se afastasse mais do que alguns centímetros do taco. Nós o deixaríamos sair se tivéssemos perdido a bola. Nós apenas tivemos que apontar para o matagal em que ele havia desaparecido e dizer “Busque-o!” e ele mergulhava, localizava a bola em segundos e a deixava cair aos nossos pés. Não me lembro de nossos pais terem levado Bill para passear; Duvido que eles tivessem alguma corda. Nosso jardim não tinha cerca e ficava voltado para Malvern Hills. Supunha-se que ele iria se exercitar perseguindo coelhos lá em cima.

No entanto, descobrimos eventualmente que, em vez de subir a colina, todas as manhãs Bill descia, em direção a uma fileira de lojas. De alguma forma, ele descobriu que por volta das 11h os vendedores da loja fizeram uma pausa, momento em que havia biscoitos para comer. Ele fazia a ronda no horário apropriado e as pessoas compartilhavam seus lanches com ele. Um de seus benfeitores era uma senhora que dirigia uma livraria. Ela vestia ternos de tweed e usava monóculo. Um aviso em sua porta dizia: “Não são permitidos cães”. Certa manhã, nossa mãe estava na livraria quando Bill saiu do santuário da proprietária.

Envergonhada, a mãe confessou que ele era seu cachorro e esperava ser expulso do local em desgraça. Mas a dona do tweed disse que Bill a encantou tanto que ela abriu uma exceção à regra de “proibido cachorros”. Ela até mantinha pacotes de biscoitos açucarados em seu escritório só para ele, porque ele os preferia à variedade mais espartana que ela mesma comia. Toda a minha família ficou angustiada quando, no final de uma longa vida, este maravilhoso animal morreu. Ele teve muitos sucessores e também há histórias sobre eles, mas Bill foi o melhor deles.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 155Exibido 36 vezesFale com o autor