Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
123 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57774 )
Cartas ( 21192)
Contos (12698)
Cordel (10209)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9127)
Erótico (13427)
Frases (44588)
Humor (18711)
Infantil (3976)
Infanto Juvenil (2916)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138422)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5044)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->HAJA CHUVA NO SERTÃO ! -- 03/02/2004 - 12:50 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
HAJA CHUVA NO SERTÃO !
José e Sousa Dantas, em 03/02/2004

Converso, via de regra,
com DOMNGOS Oliveira,
sua palestra me alegra
numa manhã domingueira,
e quando o assunto se integra
me areja a semana inteira.

DOMINGOS, meu conterrâneo,
da cidade de POMBAL,
nesse trabalho espontâneo,
temos a visão geral,
que se acha consentâneo
com a invernada atual.

SINTO O CHEIRO DA FARTURA INEBRIANDO O SERTÃO

Cheiro de terra molhada,
de rama nova e de flores,
fruta de vários sabores,
pinha, cajá, manga espada,
cheiro de leite e coalhada,
manteiga, borra e cascão,
mocotó, peixe e pirão,
peba, tatu, tanajura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Tem cheiro de jitirana,
de bredo, de cumaru,
de velame e mulungu,
de beldroega, emburana,
de embu, de cajarana
de fedegoso, pinhão,
catingueira, cansanção,
isso é perfume in natura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Tem cheiro de maxixada,
de malva, de marmeleiro,
de mofumbo, de pereiro,
de juá por toda estrada,
cheiro de broca queimada,
de jurema, de melão
caetano e manjericão,
de melancia madura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

O sertão está mudado,
tem água em toda barragem,
está crescida a pastagem,
está engordando o gado,
tem plantio no roçado,
de milho, arroz e feijão,
gergelim, fava, algodão,
melão, pepino e verdura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Estava seco demais
o nordeste brasileiro,
DEUS mandou o nevoeiro,
dos espaços siderais
para as zonas tropicais,
numa grande proporção,
para umedecer o chão
e aliviar a quentura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

DEUS resolveu aguar
o sertão que estava seco,
atrasado, pobre e peco,
para a vida melhorar,
fez a nuvem derramar
água em toda região,
aumentando a produção,
acabando a amargura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Toda a área nordestina
está chovida e virente,
maravilhosa, atraente,
encantadora e divina,
embelezando a campina,
com densa vegetação,
que nos dá a impressão
que isso é riqueza pura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

O sertanejo esperou
tanto tempo pra chegar
o inverno pra plantar,
até que enfim DEUS mandou
muita chuva e superou
toda adivinhação,
luta com disposição;
com vontade e com bravura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Meu DEUS que tanta riqueza
da chuva em todo nordeste,
sertão, cariri, agreste,
litoral e redondeza,
é a santa natureza,
é DEUS Pai da Criação,
que promove a salvação,
para toda a criatura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Sertanejo está contente,
pela chuva que chegou,
a paisagem renovou,
está tudo diferente,
um agradável ambiente,
cheio de inspiração,
de paz, iluminação,
de encanto e de ventura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Sertanejo está cantando
louvores pela mudança,
se enchendo de esperança,
vendo o roçado brilhando,
com o plantio prosperando,
milho botando pendão,
muita bagem de feijão,
os frutos da agricultura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Estamos comemorando
a abundância invernal,
e ao Pai Celestial
agradecendo e louvando,
pelo que está nos dando,
com a maior gratidão,
melhorando a condição
de toda a nossa estrutura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Eu estava observando
a sangria no açude,
meninos tirando o grude,
no remanso se banhando,
a espuma rodeando,
pedras rolando no chão,
muita água em turbilhão,
cobrindo toda a largura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Todo dia está chovendo,
todo canto está molhado,
todo rio está de nado,
e o nível d’água crescendo,
toda planta florescendo,
na mais bonita visão,
o campônio com razão
a nova vida inaugura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Quem tinha roubado um santo,
ao Criador agradece,
realizando uma prece,
que a chuva acabou o pranto,
já choveu em todo canto,
encheu todo boqueirão,
está bela a plantação
e a safra já está segura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Tem festas de casamento,
de bodas e batizado,
de namoro e de noivado,
quadrilha e divertimento,
promessa, acompanhamento,
vai ter comida em rojão,
galinha, bode e capão,
queijo, mel e rapadura.
Sinto o cheiro da fartura
inebriando o sertão.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 69Exibido 1080 vezesFale com o autor