Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
270 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57940 )
Cartas ( 21204)
Contos (12788)
Cordel (10234)
Crônicas (22050)
Discursos (3145)
Ensaios - (9188)
Erótico (13450)
Frases (45027)
Humor (18875)
Infantil (4089)
Infanto Juvenil (3117)
Letras de Música (5496)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138516)
Redação (2984)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5184)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->VOLTANDO À MINHA TERRA -- 23/12/2003 - 08:51 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
VOLTANDO À MINHA TERRA - Canção
Severino Nunes Feitosa

Peço a Deus todo momento
Pra um dia me levar
Onde foi meu nascimento

Refrão
O que não posso tirar
Nunca da minha lembrança
é o pedaço de terra
que vivi quando criança

Eu fui um pássaro que viveu feliz
Cantando livre nesses matagais
Bebendo água nas cacimbas claras
Depois voando para os mangueiras
Eu fui menino que andou descalço
Pulando corda e jogando pião
Cortando lenha pra fazer o fogo
Batendo enxada pra cavar o chão

Refrão

Fui tangerino das estradas longas
Do vale verde que me viu andar
Depois tornei-me num cigano errante
Que deixa a tropa pra poder voltar
Na grande ânsia de ver a beleza
Da minha terra meu rancho e meus pais
Tive alegria e tive tristeza
Como era antes ninguém era mais

Refrão

A casa antiga onde me criei
Não tem as mesmas portas e janelas
Até as moças com quem namorei
Estão casadas não são mais aquelas
Os meus amigos e os meus parentes
Que cultivaram essa terra outrora
Os que ficaram estão diferentes
Uns já morreram e outros foram embora

Refrão

Deus me conceda que eu volte um dia
à terra amada do meu nascimento
onde eu juntei dor e alegria
misturei tudo no meu pensamento
fui obrigado pelo meu destino
tentar um meio de sobreviver
mas nessa terra onde eu fui menino
queria ainda morar e viver.
Comentários

Lita Moniz  - 03/05/2019

Por isso voltamos

Lita Moniz  - 03/05/2019

Por isso voltamos

Lita Moniz  - 02/05/2019

Que poema lindo! Não importa aonde o imigrante consiga chegar. De quantas pedras se desviar, quantas vitórias alcançar, longe de casa somos ciganos por voltamos.

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui