Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
194 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57948 )
Cartas ( 21205)
Contos (12792)
Cordel (10234)
Crônicas (22052)
Discursos (3145)
Ensaios - (9189)
Erótico (13450)
Frases (45036)
Humor (18878)
Infantil (4090)
Infanto Juvenil (3126)
Letras de Música (5497)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138520)
Redação (2984)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5190)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->O ALPENDRE DA CASA DOS MEUS PAIS -- 15/12/2003 - 17:02 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Do alpendre da casa dos meus pais se observa a beleza do sertão
José de Sousa Dantas, em 2000

Toda casa que tem uma fazenda
seu alpendre é feito com firmeza,
sob as leis da divina natureza,
pra que nada no mundo lhe ofenda;
tem engenho, um curral, uma moenda,
conferindo o costume e tradição,
vai causando desejo e impressão,
de quem vem visitar esses locais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Se vê tudo o que passa pela frente,
no mais amplo e bonito panorama,
vê o verde da mata com a rama,
alegrando demais o ambiente;
facilita fazer grande repente,
na mais doce e real inspiração,
expressando com força e emoção,
tudo o quanto a natura forma e faz.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Ele tem a visão para o nascente,
para o lado do sul e para o norte,
bate o vento sutil trazendo a sorte,
outras dádivas de DEUS chegam pra gente;
uma estrada que passa bem na frente,
realenga de gente e condução,
de cavalo, de pé, de caminhão,
bicicleta, charrete e outros mais.
Do alpendre da casa dos meus
pais se observa a beleza do sertão.

Do alpendre se vê o sol nascer
e a barra do forte nevoeiro,
miunceira passando no terreiro,
o orvalho brilhar no alvorecer;
uma planta que passa a florescer,
o velame, o mofumbo e o pinhão,
pé de milho soltando o seu pendão,
com seus cachos e lindos visuais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Vê o verde do pé de juazeiro,
canafístula, algaroba e angelim,
oiticica, pau darco e jaumirim,
aroeira, o angico e marmeleiro,
cajazeira, avelós e o pereiro,
tamarindo, o jucá, rompe-gibão,
cumaru, muçambê e algodão,
cajarana, o embu e bananais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Eu sentado na velha preguiçosa,
procurando olhar e balançar,
vejo o campo, o curral e o pomar,
e a ave cantando furiosa,
vejo a réstia passando luminosa,
e a galinha ciscando no oitão,
a ninhada de pinto e um pavão
e no pátio pastando os animais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Tem a margem formada pelo rio,
com destaque da faixa do roçado,
tem a área de pasto para o gado,
outra parte somente pra plantio,
e ao lado um roçado no baixio,
com lavoura de milho e de feijão,
na lombada se planta o algodão,
e nas baixas se formam os arrozais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

O alpendre é bom para dançar,
pra dormir, meditar e escrever,
ver a nuvem passar, o entardecer,
balançar numa rede e conversar,
fazer verso, cantar e declamar,
outra hora assistir televisão,
realizar uma bela descrição,
contemplando as riquezas naturais.
Do alpendre da casa dos meus pais
se observa a beleza do sertão.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui