Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
74 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57086 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22209)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13401)
Frases (43723)
Humor (18474)
Infantil (3786)
Infanto Juvenil (2709)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138295)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4882)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Boko Haram e as FARC: jamais negociar com o terror -- 16/05/2014 - 11:24 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

Os nigerianos não aceitariam que os cabeças do Boko Haram dissessem que as meninas não estavam sendo violadas, senão sendo “instruídas nas artes do amor”, como afirmaram os chefes das FARC ao dizer que eles não seqüestram menores, mais de 1.000 só no ano passado.

 


Se não fosse o desdobramento noticioso do seqüestro de cerca de 300 meninas na Nigéria, sua repetida violação durante o dia e sua posterior venda como escravas, muitos não haveriam se inteirado da existência do grupo terrorista fundamentalista islâmico Boko Haram.

 

Boko Haram, que em língua hausa significa “a educação ocidental é pecado”, embora não seja um grupo antigo, é o causador da morte de pelo menos 10 mil pessoas desde 2002 que, escudado em uma interpretação fundamentalista do Islã, tenta estabelecer uma espécie de talibanato africano no norte da Nigéria.

 

Resulta incrível para muitos que isto esteja ocorrendo em pleno século XXI, porém, embora os nossos conflitos empalideçam ao lado dos africanos e por isso são melhores referências para buscar soluções que os conflitos centro-americanos, o que a Colômbia sofreu por conta das guerrilhas e dos grupos armados ilegais de todos os matizes, proporcionalmente pode ser mais terrível do que o que está sucedendo na Nigéria.

 

A maldade dos membros do Boko Haram parece indizível, mas ninguém na Nigéria está estabelecendo que se tenha que negociar com estes selvagens. O presidente nigeriano Goodluck não está dizendo, como o nosso, que deve sacrificar a justiça para que delinqüentes e violadores deixem de exercer como tais. Na Nigéria poucos aceitarão que as ações de Boko Haram são as manifestações legítimas de um grupo que tem o direito de impor uma proposta social, que não é outra coisa que uma versão retorcida de uma “fantasia do passado”, como definiu há dias David Brooks.

 

Não acredito que na Nigéria se aceite que as atrocidades destes dementes escudados em desígnios religiosos, tenham o direito de dizer que eles não seqüestram, como sustentam os bandidos com que este governo nefasto “nos negocia” em Havana. Os nigerianos não aceitariam que estes desequilibrados se atreveriam a dizer que as vítimas não são as meninas torturadas, senão eles, como disseram os que agora engordam em Havana. Tampouco aceitariam que os cabeças do Boko Haram dissessem que as meninas não estavam sendo violadas, senão sendo “instruídas nas artes do amor”, como afirmaram os chefes do grupo narco-terrorista das FARC ao dizer que eles não seqüestram menores, mais de 1.000 só no ano passado, porque o que sucede é que na Colômbia os meninos do campo amadurecem mais rápido, ou que suas vítimas durante cinco décadas não são vítimas deles, senão “do conflito”.

 

A perversidade de nosso conflito é maior por culpa de um presidente que, para tentar ganhar o céu, decidiu se aliar com diabos e convertidos em seus novos melhores amigos, minimiza os delitos destes delinqüentes e quer exonerá-los de punição, e cataloga de fascistas, no melhor estilo Maduro, aos que não estejam de acordo com sua perversa negociação.

 

Faltam poucos dias para as votações [1] e vão tentar por todos os meios possíveis distrair os colombianos com todos os “escândalos” que possam. Porém, quando for marcar seu voto lembre-se em que mãos estamos e poderíamos ficar.

 

Nota da tradutora:
[1] O autor refere-se às eleições presidenciais que ocorrerão no domingo 25 de maio, em que Juan Manuel Santos concorre à re-eleição.

 

Tradução: Graça Salgueiro

 

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

Uma seleção de artigos. Imperdível!

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=12991&cat=Ensaios

 

Faça download do livro de Tuma Jr., ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - UM CRIME DE ESTADO, clicando em

http://liciomaciel.wordpress.com/2014/01/15/tuma-jr-livro-download

A transcrição do livro de Tuminha pode ser vista em http://pt.slideshare.net/CelsoDaviRodrigues/livro-assassinato-de-reputaoes-tuma-junior

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

1) Mídia Sem Máscara

http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html

2) Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos)

http://felixmaier.blogspot.com/

 

3) Piracema II – Nadando contra a corrente (textos mais recentes)

 

http://felixmaier1950.blogspot.com/

 

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

Para conhecer a história do terrorismo no Brasil, acesse:

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 409 vezesFale com o autor