Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
67 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57118 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10093)
Crônicas (22215)
Discursos (3137)
Ensaios - (9018)
Erótico (13404)
Frases (43787)
Humor (18497)
Infantil (3795)
Infanto Juvenil (2723)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138321)
Redação (2927)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2402)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4899)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->A verdadeira cabeça do brasileiro -- 28/10/2013 - 09:00 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

Essa população que Marilena odeia tem valores muito mais próximos de liberais e conservadores do que de esquerdistas, desde o tipo obamista-chique até o black bloc psolento.

 


Pesquisa do Datafolha, publicada na Folha de hoje (27), mostra que 95% dos paulistanos são contra os Black Blocs, ou seja, são contra a baderna, o vandalismo e o quebra-quebra. Noventa e cinco por cento.

 

Há 15 dias, o jornal publicou uma pesquisa dizendo que metade da população brasileira é “de direita” e apenas 30% são “de esquerda”, a partir de critérios enviesados, fabricados pelos esquerdistas do instituto e do jornal, que tendem a engordar os números da esquerda. É perfeitamente possível aceitar que mais de 70% dos brasileiros estão ideologicamente no centro, centro-direita e direita.

 

Na matéria, o jornal ainda comete o absurdo de dizer que ideologia “não se traduz em voto” porque o brasileiro, mesmo sendo de direita, não vota em candidatos de direita. O jornal só deixa de mencionar mais explicitamente que o Brasil não tem candidatos de direita, o que invalida a conclusão. O jornalista e analista político da Folha Fernando Rodrigues escreveu um artigo recentemente chamando o Brasil de “atrasado’ e “conservador”, sugerindo que os dois termos seriam equivalentes.

 

Na mesma pesquisa, para 85% dos brasileiros, acreditar em Deus torna as pessoas melhores. Para 48%, os sindicatos “servem mais para fazer política do que para defender os trabalhadores”. Você pegou a idéia.

 

Em abril deste ano, o mesmo Datafolha mostrou que 93% dos paulistanos são a favor da redução da maioridade penal, o que deve reunir todos na cidade que não são professores da USP, blogueiros do UOL com sobrenome japonês ou presidiários. Diz a Folha: “Redução da maioridade penal opõe analistas e sociedade“.

 

O resumo de tudo isso é que o resultado das pesquisas, como admite a própria Folha, “opõe analistas e sociedade”. É óbvio e evidente que os chamados cientistas políticos, analistas, intelectuais, sociólogos, jornalistas, marqueteiros e consultores que assessoram os políticos brasileiros estão vivendo em outro país, não no Brasil.

 

Em maio, o cérebro ideológico do PT, das áreas de humanas da USP e do jornalismo brasileiro, Marilena Chauí, deu uma pista da motivação que separa o povo do que o Brasil convencionou chamar de intelectual:

 

- “Eu odeio a classe média.”

 

- “A classe média é o atraso de vida”

 

- “A classe média é estupidez. É o que tem de reacionário, conservador, ignorante, petulante, arrogante, terrorista.”

 

- “A classe média é uma abominação política, porque ela é fascista, uma abominação ética, porque ela é violenta, e ela é uma abominação cognitiva, porque ela é ignorante”.

 

Para o IBGE, mais da metade da população do país está na classe média (renda per capita entre R$ 300 e R$ 1.000), portanto há uma chance bastante razoável da Marilena Chauí odiar a maioria dos eleitores que, por sua vez, só votam nos candidatos que ela defende por falta de opção. A rejeição é mútua.

 

Essa população que Marilena odeia tem valores muito mais próximos de liberais e conservadores do que de esquerdistas, desde o tipo obamista-chique até o black bloc psolento.

 

O brasileiro não quer quebra-quebra, baderna, fogo em ônibus, alta carga tributária, e não compra a tese de que bandido é vítima, de que Cuba é um paraíso, de que a redução do crime virá da liberação da venda de heroína nas escolas ou que a modernidade é todo mundo pelado, o dia inteiro sem trabalhar e recebendo dinheiro do governo.

 

É óbvio e evidente que o eleitorado brasileiro está pronto para uma candidatura viável de centro-direita e é essa cambada de vagabundos sanguessugas, com seus títulos acadêmicos em marxismo aplicado, que cercam os partidos e políticos brasileiros e dizem o contrário a eles. E é por isso que os políticos brasileiros estão hoje apenas brigando para dizer que são mais esquerdistas do que os outros.

 

O povo está preocupado com 70.000 homicídios por ano, o que certamente inclui gente que ele conhece, um vizinho ou um parente pelo menos. Os jornalistas e sociólogos estão preocupados com o Amarildo.

 

O povo está preocupado com o dinheiro no fim do mês que não dá, os jornalistas e sociólogos querem mais impostos e mais dinheiro na mão dos burocratas do governo.

 

O povo está preocupado com o futuro dos filhos, os jornalistas e sociólogos com o casamento da Daniela Mercury.

 

O povo está preocupado com o fogo no ônibus que ele pega e na destruição da estação de metrô que ele usa, os jornalistas e sociólogos estão preocupados em acabar com a PM.

 

O primeiro passo para uma candidatura de centro-direita: demitam todos esses pilantras, filhotes ideológicos da Marilena Chauí, que fazem fortunas dizendo que o povo é de esquerda. Coloquem todos no olho da rua aos pontapés, de preferência jogando o que tiverem nas suas gavetas de trabalho pela janela.

 

Mandem os sociólogos para a rua e aproveitem para ouvir as ruas diretamente, sem intermediários, sem “o povo disse isso mas quer na verdade aquilo”. O povo hoje só não vota na direita porque não tem alternativa.

 

A política brasileira é a negação do livre mercado até nisso: os “consumidores” gritando por um produto e todos os vendedores oferecendo outro, completamente diferente, e que só uma minoria engole com prazer.

 

Alexandre Borges, diretor Instituto Liberal, publicou o presente artigo no blog da instituição.

 

Leia o último livro de Olavo de Carvalho

“O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota”

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

Mídia Sem Máscara - http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html

Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos) - http://felixmaier.blogspot.com/

Piracema II - Nadando contra a corrente (textos mais recentes) – http://felixmaier1950.blogspot.com/

  

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

Para conhecer a história do terrorismo  no Brasil, acesse 

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 491Exibido 185 vezesFale com o autor